Leia a íntegra da decisão de Fux que barrou investigação sobre Queiroz

Leia AQUI a íntegra da decisão do ministro Luiz Fux que barrou a investigação sobre Fabrício Queiroz:

Decisão: Trata-se de Reclamação, instaurada sob o regime do segredo de justiça, contra ato do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro consubstanciador, em tese, de usurpação de competência do Supremo Tribunal Federal.

Narra, em síntese, o Reclamante que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro determinou a instauração do PIC 2018.00452470, no âmbito do Grupo de Atribuição Originária em Matéria Criminal, voltado à apuração de notícia de fato materializada em Relatório de Informação Financeira do COAF, e que envolveria, em tese, a prática, por parlamentares estaduais, de supostos ilícitos relacionados ao exercício dos respectivos mandatos.

O Reclamante assinala que, em 14/12/2018, depois de confirmada sua eleição para o cargo de Senador da República, o órgão ministerial local requereu ao COAF informações sobre dados sigilosos de sua titularidade, abrangendo o período de abril de 2007 até a data da implementação da diligência, a pretexto de instruir referido procedimento investigativo.

Sustenta que o D. MPE/RJ utilizou-se do COAF para criar atalho e se furtar ao controle do Poder Judiciário, realizando verdadeira burla às regras constitucionais de quebra de sigilo bancário e fiscal , razão pela qual a autoridade Reclamada teria incorrido em usurpação de competência do Supremo Tribunal Federal .

Argumenta que, embora o Supremo Tribunal Federal tenha conferido nova interpretação à prerrogativa de foro prevista no art. 102, I, b, da Constituição da República, restou expressamente consignado, no acórdão proferido nos autos da AP 937-QO, que a conjugação dos critérios exercício do mandato e em razão da função exigirá que esta Corte continue a se pronunciar, caso a caso , se o crime tem ou não relação com o mandato. E essa análise terá que ser feita pelo próprio STF, a quem compete definir se o processo permanece no Tribunal ou desce para a primeira instância .

Simultaneamente à usurpação de competência, o Reclamante aduz a existência de flagrante ilegalidade na instauração do referido procedimento investigatório, passível de configurar constrangimento ilegal suscetível da concessão de habeas corpus de ofício.

Isso porque, segundo alega, o procedimento investigatório é baseado em informações obtidas de forma ilegal pelo D. MPE/RJ junto ao COAF informações essas que estão (ou deveriam estar) protegidas pelo sigilo constitucional fiscal e bancário, mas que vêm sendo requeridas diretamente àquela autoridade administrativa sem qualquer crivo judicial .

Invoca precedente do Superior Tribunal de Justiça, segundo o qual a obtenção e o uso, para fins de investigação criminal, dos dados que subsidiaram o relatório fornecido pelo COAF dependem de autorização judicial (HC 349.945/PE, Sexta Turma, Rel. Min. NEFI CORDEIRO, j. 06/12/2016).

Sublinha que, para agravar a situação de ilicitude, o procedimento de investigação instaurado em julho de 2018 não foi, até o momento, submetido à distribuição perante o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, inexistindo supervisão judicial sobre as atividades investigativas do Ministério Público.

Acrescenta, ainda, entendimento no sentido de que o Supremo Tribunal Federal definiu, sobre o tema do sigilo fiscal e bancário, que o Ministério Público pode requisitar informações diretamente ao COAF, e que esse Conselho detém plena liberdade de compartilhar informações de inteligência com o Ministério Público, desde que os dados não envolvam informações protegidas pelo sigilo bancário.

Nestes termos, pleiteia:

a) que seja julgada procedente a presente Reclamação, monocraticamente, para determinar a remessa dos autos do PIC 2018.00452470 ao Supremo Tribunal Federal, com a consequente suspensão de todos os atos de investigação em curso, até que se decida acerca da competência do Supremo Tribunal Federal para processar e julgar o presente feito;

b) alternativamente, que seja deferida a liminar, para os mesmos fins, com a subsequente intimação da autoridade Reclamada para que preste informações e, alfim, a integral procedência da Reclamação;

c) a concessão de habeas corpus de ofício, para reconhecimento da ilegalidade das provas que instruíram o PIC 2018.00452470 e de todas as diligências de investigação determinadas a partir delas.

É o Relatório.

Decido.

Em análise meramente prelibatória, vislumbro a presença dos requisitos para a concessão da liminar pleiteada, em caráter de urgência, durante o plantão judiciário, no sentido da suspensão do procedimento de origem, sem prejuízo de futura análise pelo Relator do feito.

Deveras, o Reclamante foi diplomado no cargo de Senador da República, o qual lhe confere prerrogativa de foro perante o Supremo Tribunal Federal, nos termos do art. 102, I, b , da Constituição da República.

À luz do precedente firmado na AP 937-QO, compete ao Supremo Tribunal Federal o processo e julgamento dos parlamentares por atos praticados durante o exercício do mandato e a ele relacionados.

Da análise dos autos, constata-se que a autoridade Reclamada teria solicitado informações ao COAF, acerca de dados bancários de natureza sigilosa, titularizados pelo Reclamante, abrangendo período posterior à confirmação de sua eleição para o cargo de Senador da República, sem submissão a controle jurisdicional.

Simultaneamente, o princípio da Kompetenz-Kompetenz incumbe ao Supremo Tribunal Federal a decisão, caso a caso, acerca da incidência ou não da sua competência originária, nos termos previstos no art. 102, I, b , da Constituição.

Este o quadro, e com o fim de proteger a efetividade do processo, defiro a suspensão do trâmite do PIC 2018.00452470, até que o Relator da presente Reclamação se pronuncie quanto ao pedido de avocação do procedimento e de declaração de ilegalidade das provas que o instruíram, alegada pelo Reclamante.

Comunique-se, com urgência, observado o segredo de justiça que grava o presente feito.

Em seguida, encaminhem-se os autos ao eminente Relator.

Int..

Brasília, 16 de janeiro de 2019.

Ministro Luiz Fux

Vice-Presidente

QUAL É O PAPEL DOS MILITARES NO NOVO GOVERNO? SAIBA MAIS AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Augusto disse:

    TyBBbnRhZ29uaXN0YSwgYSAiaWxoYSBkZSBpc2Vu5+NvIG5vIG1hciBkZSBjb3JydXDn428gZGEgaW1wcmVuc2EiIG7jbyB0ZW0gbmFkYSBhIGRlY2xhcmFyPz8/IENhZOogbyBDbGF1ZGlvPyBDYWTqIG8gRGllZ28/IENhZOogbyBTYWJpbm8/IFN1bWlyYW0gdG9kb3M/IENhZOogYSBsaWdhIGRhIG1vcmFsaWRhZGU/IEtLS0s=

Ler comentários
  1. Sueli disse:

    TWluaXN06XJpbyBQ+mJsaWNvIGRvIFJKIGNoZWlvIGRlIHBldHJhbGhhcy4uLg==

  2. Tercia disse:

    TWVsaG9yIHNlcmlhIHF1ZSBu428gaG91dmVzc2UgZmF0b3MgYSB2YXphci4=

  3. Paulo disse:

    ZXN04SBjZXJ0byBvIE1pbiBGdXgsIHBvaXMgZXJhIHNpZ2lsbyBlIHZhem91IFNPTUVOVEUgbyBkbyBhc3Nlc3NvciBkbyBGbOF2aW8uIFF1ZW0gdmF6b3U/IEVzc2Ugc2ltLCDpIHVtIGNyaW1pbm9zbyEgRSBzZSBvIGluZGl27WR1byBmb3IgaW5vY2VudGU/IE11aXRhIGdlbnRlIHByb2Nlc3NhZGEgbm8gZmluYWwu

  4. Jussadir disse:

    VXNvIGRlIGRhZG9zIGJhbmPhcmlvcyBlIGZpc2NhaXMgc2VtIGF1dG9yaXph5+NvIGRvIGp1ZGljaeFyaW8/IEUgY29tbyBmaWNhIG8gRXN0YWRvIGRlIERpcmVpdG8/IFF1ZSBpbnZlc3RpZ3VlIGUsIHNlIGZvciBjdWxwYWRvLCBxdWUgc2UgcHVuYSwgbWFzIHF1ZSBzZSByZXNwZWl0ZSBvIGRldmlkbyBwcm9jZXNzbyBsZWdhbC4gySBiYXNp

  5. Pedro disse:

    TyBNUC1SSiBs4SBkbyBSaWRpamFu6nJvICBhbmRvdSBmcmFuY2VsaW5hbmRvLiAgVGVtIHBldHJhbGhhbG9wcmFkbyBuZXNzZSBhbmf6LiAga2tra2tra2tr

  6. Robson disse:

    TuNvIGVyYSDgIHRvYSBxdWUgbyBRdWVpcm96IHNhbWJhdmEgZSBjYW50YXZhIG5vIGhvc3BpdGFsLi4uLmVsZSBjb25oZWNlIGJlbSBvcyBCb2xzb25hcm9zLi4uLg==

  7. WWG1WGA disse:

    RO12aWRhIFB1YmxpY2EgZGUgIDUgVFJJLCBk6WZpY2l0IGRlIDE1MCBCSSwgNiBFc3RhZG9zIGVtIGNhbGFtaWRhZGUgZmluYW5jZWlyYSwgTWVuc2Fs428sIFBldHJvbONvIEJORFMuIEEgY29pc2EgdOEgZmVpYSE=

  8. GCJ disse:

    UXVlIHZlcmdvbmhhLiBNdWl0YSB2ZXJnb25oYSBkZSBzZXIgYnJhc2lsZWlyby4gQ2Fk6iBvIGNhYm8gZSBvcyAyIHNvbGRhZG9zPw==

  9. Alexandre disse:

    TyBNUFJKIGRlc2N1cmFuZG8tc2UgZG8gc2lnaWxvIGJhbmPhcmlvIHBhcmEgdXRpbGl6YXIgZW0gaW52ZXN0aWdh5/VlcyBzZW0gbyBjcml2byBkbyBKdWRpY2nhcmlvPyBDb21vIGFzc2ltPyBO428gZXN0YXZhbSBpbnZlc3RpZ2FuZG8gbyBRdWVpcm96LCBtYXMgbyBwcvNwcmlvIFNlbmFkb3IuLi4gZnJhbmNhbWVudGUh

    1. Rm9pIG8gcXVlIGVudGVuZGkuIEpvcm5hbGlzdGFzIGRldmVyaWFtIHJlZmxldGlyIHNvYnJlIGlzc28gYW8gaW526XMgZGUgZmljYXJlbSB1c2FuZG8gZGVjbGFyYef1ZXMgZGUgZm9udGVzIGFu9G5pbWFzLiBI4SB1bSByaXRvLi4uQWNobyBxdWUgTVAgbuNvIHRlbSBwb2RlciBwcuEgcXVlYnJhciBzaWdpbG8uIA==

    2. VGVtIFBUIGUgUkVOQU4gY2FuZ2FjZWlybyBubyBtZWlvIGRpc3NvLi4u

  10. Luisa disse:

    QSBkZWNpc+NvIHBhcmVjZSBjb3JyZXRhLiDJIHByZWNpc28gaW52ZXN0aWdhciB0YW1i6W0gcG9ycXVlIHR1ZG8gZXN0YXZhIHNlbmRvIGZlaXRvIHNlbSBvcmRlbSBqdWRpY2lhbC4gRXN0cmFuaG8h

    1. VG8gYWNoYW5kbyBxdWUgZXNzYSBhcm1hZGlsaGEgdGFtYmVtIHRlbSBhIHBhcnRpY2lwYefjbyBkaXJldGEgZG8gUXVlaXJveiE=

    2. Q29uY29yZG8gY29tIHZvY2UhIFR1ZG8gbXVpdG8gc2VsZXRpdm8hIFRvIGNvbWXnYW5kbyBhIGFjaGFyIHF1ZSBhIG9wZXJh5+NvIEZ1cm5hIGRhIE9u52Egc28gdGluaGEgdW0gb2JqZXRpdm8hIEZsYXZpbyBCb2xzb25hcm8hIE5pbmd1ZW0gZmFsYSBkb3MgZGVtYWlzIGFzc2Vzc29yZXMuIFR1ZG8gZW0gc2lnaWxvIQ==

  11. Samir disse:

    VOEgdHVkbyBiZW0gZnV4LCBtYXMgYWxndeltIHRlbSBxdWUgaW52ZXN0aWdhciBlc3RlIGNhc28gYSBmdW5kbyEuLi5vcyBicmFzaWxlaXJvcyBkZSBiZW0gZXhpZ2VtIS4uLg==

    1. RXN0ZSwgbuNvLCBTYW1pciEgRXhpc3RlIG5vIENPQUYgdW1hIGxpc3RhIGRlIHRyYW5zYef1ZXMgc3VzcGVpdGFzLCBuYSBxdWFsIG8gUXVlaXJveiDpIG8gMTe6IGNvbG9jYWRvLiBPIHByaW1laXJvIGRhIGxpc3RhLCBBbmRy6SBDZWNpbGlhbm8gZG8gUFQsIG1vdmltZW50b3UgUiQgNDkuNjAwLDAwLiBJbnZlc3RpZ3VlbSBUT0RPUyEhIQ==

  12. interior disse:

    QSBkZWNpc+NvIGRvIEZVWCDpIGNvcnJldGEuIEZsYXZpbyBmZXogdW1hIHRyZW1lbmRhIGNhLmdhZGEgZGUgYWp1aXphciBlc3NhIHJlY2xhbWHn428=

  13. Isabelle disse:

    TyBNaW5pc3TpcmlvIFD6YmxpY28gdGVtIHF1ZSBpciBhdOkgbyBmaW0gY29tIGVzc2EgaGlzdPNyaWEgYWdvcmEuIA==

  14. Luiz disse:

    Qm9sc29uYXJvcyBzZSBib3JyYW5kbyBkZSBtZWRvIGRhcyBpbnZlc3RpZ2Hn9WVzLg==

    1. RWxlcyBlc3TjbyBoaXBlciB0cmFucXVpbG9zLCBleGNldG8gbyBGTMFWSU8=

  15. Marcelo disse:

    U2VncmVkbyBkZSBKdXN0aedhIG1vZG8gQmlnIEJyb3RoZXIgQnJhc2lsLg==