Lembrem-se: as pedaladas também foram crime eleitoral

Como os brasileiros esquecem de quinze em quinze anos o que aconteceu nos últimos quinze, vamos lembrar que o pedido de impeachment em tramitação no Congresso não se baseia apenas em pedaladas feitas para fechar o ano fiscal de 2014, simplesmente.

Ocorreram também para esconder a real situação das contas de Dilma Rousseff e, assim, ajudá-la a reeleger-se.

“Até agosto de 2014, o governo não se comportou de maneira coerente com a realidade. Viveu uma fantasia. Após a eleição, veio a realidade. Essa mudança de panorama de agosto para outubro, na opinião do ministério público, caracteriza um dolo evidente de manifestar uma situação fiscal irreal no período pré-eleitoral e só trazer a realidade após o período eleitoral”, afirmou o procurador Júlio Marcelo de Oliveira.

O nome disso é crime eleitoral. Se não está tipificado pelo TSE, é porque a nossa legislação é deficiente.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200