“Léo Pinheiro assumiu a dianteira das negociações com WTorre”

Na denúncia da Operação Abismo (leia a íntegra aqui), o MPF acusa Léo Pinheiro de liderar o consórcio criminoso que desviou recursos das obras do Cenpes para o PT.

Segundo os procuradores, Léo Pinheiro, então presidente da OAS, “mantinha pleno domínio dos fatos criminosos relacionados ao Consórcio, desde a participação no cartel, passando pela fraude à licitação e corrupção, incluindo os pagamentos precedidos ou realizados por meio de operações de lavagem de dinheiro”.

Diz ainda que Léo “assumiu a dianteira das negociações ilícitas com os representantes” da WTorre, que teria recebido R$ 18 milhões para desistir da concorrência.

Faça o primeiro comentário