Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Lewandowski sobre mensagens roubadas: "Pode ser prova ilícita, mas foi amplamente veiculada e não foi contestada"

Lewandowski sobre mensagens roubadas: “Pode ser prova ilícita, mas foi amplamente veiculada e não foi contestada”
Foto: STF

Ao defender a manutenção da suspeição de Sergio Moro, Ricardo Lewandowski rebateu assim Luís Roberto Barroso, que o alertou sobre a ilicitude das mensagens roubadas dos procuradores:

“Pode ser [prova] ilícita, mas enfim, foi amplamente veiculada e não foi adequadamente, ao meu ver, contestada”, disse Lewandowski.

Barroso insistiu que as mensagens foram produto de crime e não tiveram a autenticidade provada pela Polícia Federal.

“Então, o crime compensa para Vossa Excelência”, disse.

“Eu pensei que Vossa Excelência fosse garantista, essa é uma prova ilícita, colhida mediante crime”, afirmou antes.

Lewandowski citou as mensagens em seu voto, ao julgar Moro parcial na Segunda Turma. Na sessão de hoje, passou a falar dos prejuízos que a Lava Jato trouxe para a economia.

Barroso perguntou a ele se o problema não era a corrupção, mas o enfrentamento da corrupção. Lewandowski atacou o “modus operandi” da Lava Jato, novamente fazendo referência às mensagens.

“Não concordo que as mensagens que foram arrecadadas — e diga-se, periciadas pela Polícia Federal —  constituíram meros pecadilhos”, disse.

 

Sim, você leu certo: um ministro do Supremo Tribunal Federal defendeu abertamente o uso de produto de crime como prova em processo legal.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO