Líder diz que PSDB apoiará reformas de Bolsonaro

O atual líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), deixou reunião com Jair Bolsonaro dizendo que os deputados do partido vão apoiar a agenda de reformas do novo governo.

“Todas as reformas, previdenciária, tributária, pacto federativo, redução da máquina pública”, listou à imprensa.

Disse que os tucanos não vão integrar oficialmente a base aliada e que o apoio não se dará em troca de cargos ou ministérios.

“A nossa defesa é que todo esse capital político que terá de cara no início do mandato seja ele todo investido nas reformas que o Brasil precisa”.

Ruralista e eleitor declarado de Bolsonaro, Nilson Leitão passa a liderança em 2019 para Carlos Sampaio (SP). A nova bancada terá 30 deputados.

Os generais acompanham as primeiras ações do futuro governo — e não aprovam tudo... LEIA AQUI

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 33 comentários
    1. NOVO PSDB não é linha auxiliar de ninguém rapaz, sempre vai ser PROTAGONISTA. Mas tem que apoiar projetos BONS para o país independente do GOVERNO e não fazer OPOSIÇÃO FASCISTA com a Esquerda

  1. Está surgindo o NOVO PSDB alinhado ao anseios populares, principalmente da CLASSE MÉDIA que foi sempre quem votou neles. O POVO deu o recado quer mais SEGURANÇA, LIBERALISMO e REFORMAS URGENTES

  2. já é hora do PSDB mudar d lado ou sair de cima do muro. Custou caro andar na contra-mão da história. precisa se recompor e renovar seus quadros, trabalhando pela nação e não para bandidos e co

  3. Um líder de partido sensato, pragmático e patriota. Está colocando nitidamente os interesses do povo e do País, em primeiro lugar. É isso ou a quebra do País, o que favoreceria o PT e as esquerd

    1. Boa, resumo fenomenal do que é PSDB. Eles estão tendo a oportunidade de entrar pro futuro. Pela excelente declaração de Nilson Leitão eles perceberam isso.

  4. Fico feliz de ouvir que o capitão não cedeu nenhum cargo, seja de segundo, seja de terceiro escalão, aos caciques do psdb. E é na agenda conservadora, também, que os tucanos serão testados.