Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Líder do governo Bolsonaro nomeou servidora que liberou pagamento da Covaxin

Servidora do Ministério da Saúde Regina Célia Silva de Oliveira teria autorizado o pagamento de US$ 45 milhões em nome de uma offshore
Líder do governo Bolsonaro nomeou servidora que liberou pagamento da Covaxin
Foto: Alan Santos/PR

Durante sessão da CPI da Covid, o líder do governo Jair Bolsonaro, Ricardo Barros (PP-PR), foi apontado como o responsável pela nomeação da servidora do Ministério da Saúde Regina Célia Silva de Oliveira, que teria autorizado o pagamento de US$ 45 milhões em nome de uma offshore, de forma antecipada, para o recebimento de 300 mil doses da vacina Covaxin.

A informação foi citada pelo vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele mostrou um extrato do Diário Oficial da União, do dia 15 de fevereiro de 2018, com a nomeação de Regina Célia, quando Barros era o então Ministro da Saúde. “As informações que temos é que a senhora Regina Célia é uma indicação, ao contrário de Luis Ricardo, que é servidor de carreira, que ela foi nomeada pelo então ministro Ricardo Barros”, disse.

Durante o depoimento da CPI da Covid, o servidor Luis Ricardo Miranda disse que Regina Célia foi quem autorizou o pagamento de US$ 45 milhões em favor da Madison Biotech, sediada em Singapura. Além disso, o deputado Luis Miranda (DEM-DF) disse que um deputado “da base do governo” foi citado pelo presidente Bolsonaro como responsável pelo esquema no Ministério da Saúde.

Como mostramos no início da semana, foi graças a uma emenda do deputado Ricardo Barros que houve a autorização para a contratação da vacina indiana.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO