A lista dos pagamentos (e senhas) da Odebrecht à campanha de Alckmin

Depois de descrever, em documento obtido por O Antagonista, o caminho do dinheiro do departamento de propinas da Odebrecht para a campanha de 2014 de Geraldo Alckmin ao governo do estado de São Paulo, o Ministério Público paulista afirma:

“Desta forma, foram disponibilizadas as seguintes quantias, com respectivas senhas, à disposição do codinome ‘M&M’, que, como já dito, identificava o requerido Marcos Antônio Monteiro, funcionário público, em benefício” de Alckmin:

a) 30 de abril de 2014 – R$ 1 milhão – senha ‘Cedro’ – “valor este efetivamente pago, por meio de entrega feita pela transportadora Transmar ao funcionário Rogério Martins, na mesma data, a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

b) 5 de agosto de 2014 – R$ 1,5 milhão – senha ‘Tesoura’ – “valor este pago em 07 de agosto de 2014, por meio de entrega feita pela transportadora Transmar ao funcionário Rogério Martins, na mesma data, a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

c) 13 de agosto de 2014 – R$ 500 mil – senha ‘Marceneiro’ – “quantia efetivamente paga pelo funcionário Rogério Martins em 15 de agosto de 2014 com o uso de recursos que lhe foram entregues pela Transportadora Transmar a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

d) 21 de agosto de 2018 – R$ 1 milhão – senha ‘Pudim’ – “cujo pagamento deve ter sido feito de acordo com a sistemática acima a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

e) 26 de agosto de 2014 – R$ 500 mil – senha ‘Bolero’ – “cujo pagamento foi efetivamente realizado em 29 de agosto de 2014 a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin, “com recursos que lhe foram disponibilizados pela transportadora Transmar, na mesma data”;

f) 09 de setembro de 2014 – R$ 1 milhão – senha ‘Sardinha’ – “cujo pagamento ocorreu em 11 de setembro de 2014, por meio de recursos recebidos por Rogério Martins da transportadora Transmar a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

g) 18 de setembro de 2014 – R$ 1 milhão – senha ‘Cimento’ – “cujo pagamento ocorreu em 17 de setembro de 2014 por meio de Rogério Martins a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

h) 25 de setembro de 2014 – R$ 1 milhão – senha “Chocolate” – “cujo pagamento deve ter sido feito de acordo com a sistemática acima a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin;

e i) 29 de outubro de 2014 – R$ 300 mil – senha “Martelo” – “cujo pagamento foi realizado por Rogério Martins em 31 de outubro de 2014 a portador indicado” por M&M, “em benefício” de Alckmin.

Com exceção dos pagamentos previstos nos itens ‘d’ e ‘h’, todos os pagamentos feitos pela Odebrecht “de forma ilícita” a portador indicado por M&M, em benefício de Alckmin, “foram registrados em planilhas quer do funcionário Rogério Martins, da testemunha Álvaro José Galliez Novis, quer da Transportadora de Valores Transmar, documentos esses que foram entregues a este 9º Promotor de Justiça de Patrimônio Público e Social da Capital e juntados aos autos do inquérito civil que ora instruem a presente petição inicial”.

O caminho do dinheiro da Odebrecht para a campanha de Alckmin, segundo o MP-SP

A relação entre Geraldo Alckmin e ‘M&M’, segundo o MP de São Paulo

Alckmin processado por caixa 2 da Odebrecht

Comentários

  • Sonia -

    Porquê isto agora ? Está parecendo o mesmo que o dossiê dos aloprados.

  • Marcelo -

    O bandido corrupto geraldo alckM&M tem que ser metido na cadeia, já!!! VIVA BOLSONARO/MOURÃO 17!!! É melhor Jair se acostumando!

  • Carlos -

    O Picolé está derretendo, safado, cínico, medíocre

Ler 88 comentários