Lobby para franceses e suecos

Como O Antagonista revelou esta semana, o escritório Marcondes e Mautoni tentou espionar o procurador José Alfredo de Paula quando este investigava a compra pelo governo de caças para a FAB.

Importante notar que a tentativa de espionagem foi em 2010, poucos meses depois de Lula anunciar o Rafale numa histórica gafe diplomática – a FAB ainda não havia concluído a análise técnica.

O constrangimento internacional afastou qualquer chance de que o caça francês da Dassault fosse o escolhido. Tanto que Lula empurrou para Dilma a tarefa de avalizar o negócio.

Dilma acabou escolhendo o Gripen NG, da Saab. Curiosamente, lá estava o escritório Marcondes e Mautoni novamente, agora para pressionar pela escolha do caça sueco.

Nesse meio tempo, Luiz Marinho, unha e carne com Lula, passou a apoiar publicamente a escolha dos caças da Saab e conseguiu da empresa a montagem de um centro de inovação em São Bernardo.

Com a Dassault queimada, a Saab virou o plano B. Importante é não perder o negócio, ou negociata.