Lula é sempre igual

Eu, Diogo, na Páscoa de 2007, publiquei na Veja uma coluna sobre Roberto Teixeira, o lobista que cedeu um apartamento a Lula e, vinte anos depois, cedeu outro apartamento a Lulinhazinho.

O procedimento de Lula é sempre igual, com Roberto Teixeira ou com José Roberto Bumlai, a favor da Gol ou da OSX:

Olhe Lula. Ele comemora a compra da Varig pela Gol. Olhe os donos da Gol. Eles também comemoram. Olhe essa figura de terno cinza. Quem é ele? Roberto Teixeira? O representante da Varig é Roberto Teixeira? Lula aceita ser visto ao lado dele, sem o menor constrangimento?

Alguns fatos sobre Roberto Teixeira:

• Ele é compadre de Lula. E, segundo Lula, em sua terra natal “compadre vira parente”.

• Lula morou nove anos numa casa de Roberto Teixeira, sem pagar aluguel.

• Em 1997, um importante quadro do PT, Paulo de Tarso Venceslau, acusou Lula de comandar a “banda podre” do partido, porque ele teria acobertado o favorecimento de Roberto Teixeira em prefeituras petistas.

• O PT abriu um inquérito para apurar o caso. Em seu relatório final, os comissários do partido denunciaram Roberto Teixeira por “grave falta ética” e recomendaram que ele fosse punido. Ele teria cometido “abuso de confiança com aproveitamento da amizade com Lula”.

• Um dos comissários encarregados de analisar o caso, Hélio Bicudo, comentou recentemente em seu livro de memórias: “Havia o risco de ser detectado o envolvimento de Lula”.

• Lula desaprovou o relatório final do partido. Foi feito outro, inocentando Roberto Teixeira.

• O juiz Carlos Eduardo Mattos Barroso classificou como “nebuloso”, “suspeito”, “obscuro” e “impróprio” o relacionamento íntimo entre Lula e Roberto Teixeira.

• Roberto Teixeira ajudou o presidente a comprar seu apartamento de cobertura.

• Quando o sobrinho de Roberto Teixeira foi seqüestrado, Lula procurou seus amigos empresários para levantar 400 000 dólares de resgate. O caso foi resolvido antes do pagamento. Lula se recusou a dizer quem o ajudou e que fim levou o dinheiro.

Com a vitória de Lula, Roberto Teixeira aumentou seu poder de barganha. Em meados de 2005, Lula sinalizou que nomearia Airton Soares para o cargo de presidente da Infraero. Ele acabou sendo preterido por um funcionário de carreira mais afinado com os interesses da TransBrasil, empresa representada por Roberto Teixeira. Na ocasião, o jornal O Estado de S. Paulo apurou que a troca foi sugerida a Lula pelo próprio Roberto Teixeira, porque Airton Soares se comprometera a entrar na Justiça para retomar as propriedades ocupadas pela TransBrasil nos aeroportos. Ricardo Noblat complementou noticiando algo que, se comprovado, em qualquer lugar do mundo resultaria num impeachment: “Em telefonema para ministros de estado, o presidente pediu para que os interesses de Roberto Teixeira fossem atendidos”.

Isso é apenas uma alegre miscelânea pascoal do que já foi publicado sobre o assunto, com especial destaque para as reportagens de Luiz Maklouf Carvalho. Em resumo: o presidente da República envolveu-se num relacionamento nebuloso com um lobista do setor aéreo, que lhe concedeu regalias impróprias em troca de negócios suspeitos. O lobista abusou do “parentesco” com o presidente para defender os interesses obscuros de seus clientes numa das áreas mais podres do governo.

O bacalhau ficou entalado na garganta?


Faça o primeiro comentário