“Lula é um ponto de confronto”

O Estadão perguntou a Romero Jucá se o acordo entre Michel Temer e Renan Calheiros ocorreu devido ao avanço da Lava Jato sobre o PMDB do Senado.

Ele respondeu:

“Não tem nada a ver com Lava Jato. Estão sendo feitas as investigações. Se alguém tiver culpa tem que pagar. Houve um processo de investigação de todo mundo, o que é legítimo. Quem está na vida pública tem que dar explicações. Não há nenhum demérito em ninguém ser investigado, o demérito é ser condenado”.

Perguntado se as denúncias contra Lula podem afetar a governabilidade, ele disse:

“Não posso dar uma resposta porque não conheço os procedimentos de investigação. Seria leviano. Mas se pode dizer que o Lula hoje é um ponto de confronto político, como foi a Dilma no ano passado e ainda permanece. É mais uma frente de embate político”.

O PMDB de Romero Jucá, se continuar assim, tem muito mais chance de sobreviver à Lava Jato do que o PT de Lula e Dilma.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200