Lula é uma matéria-prima

A popularidade de um presidente latino-americano depende apenas de dois fatores: o valor das matérias-primas e a taxa de juros nos Estados Unidos.

Foi o que demonstraram dois pesquisadores da FGV, Daniela Campello e Cesar Zucco.

Diz a reportagem da BBC:

“O bom desempenho em eleições e em índices de aprovação popular dos governantes de pelo menos dez países latino-americanos – entre eles Brasil, Venezuela, Bolívia, Equador e Argentina –, decorreram de dois fatores externos que fogem ao controle dos presidentes: a taxa de juros dos Estados Unidos e o preço das commodities (produtos primários, como alimentos, petróleo e minério).

Usando análises estatísticas, os dois pesquisadores verificaram o impacto desses índices nos resultados eleitorais e nas pesquisas de popularidade dos últimos 30 anos em 18 países da América Latina (…).

De acordo com a pesquisa, o eleitor premia com reeleição os presidentes que têm a ‘sorte’ de governar em períodos da ‘bonança econômica’ promovida pela queda na taxa de juros norte-americano se pelo boom das commodities, e pune os governantes que cumprem o mandato em período com indicadores externos menos favoráveis.”

A popularidade de Lula é só isso:

“Campello e Zucco afirmam que o presidente com mais ‘sorte’ em relação aos indicadores externos foi Luiz Inácio Lula da Silva, que governou durante período de alta acentuada do Índice de Bons Tempos Econômicos. De 2003 a 2011, o preço dos produtos primários cresceu muito, impulsionado por importações da China, e os juros norte-americanos permaneceram baixos.

Lula deixou o governo com 83% de popularidade e conseguiu eleger sua sucessora, Dilma Rousseff. Campello e Zucco calculam que, se FHC tivesse governado no segundo mandato com as mesmas condições externas que Lula (mesmo Índice de Bons Tempos Econômicos), sua popularidade ao deixar o Planalto seria de 45.9%, em vez de 24.4%.

Já Lula, se tivesse o mesmo Índice de Bons Tempos Econômicos do segundo mandato de FHC, deixaria o governo, de acordo com os dois pesquisadores, com 34% de aprovação popular.”

31 comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200

  1. Lula ficou feliz quando escreveram que seus assuntos são espúrios. Reagiu assim: sabe, isso merece un strago pra cumemora; mais, merece uns diques como dizem o povo nos Unaí Stents América, ou americano nortista como quera do Presidente Pato Donalddo Trupe…afinal espúrio penso, sabe, seja algo como onoris causa que
    Os reitor gostam de me orgulhar…por sinal, indo a terra dos Alpaches vou ver
    TRUPE e falar no testa a testa, pois ninguém neste País faz como eu, sabe, não digo nada por trás, digo com boca mesmo: olha Pato Donalddo, vc tome tento com o
    Zoinho puxado do Kim, pois ele manda um miss na tua cabeleira laranja…ao que
    TRUMP vai responder what a wonderful war send a miss…my God!!!

  2. É triste um país depois de quase 500 anos ainda ser basicamente extrativista,e pensar que o Brasil ¨quase¨deu duas contribuições tecnológicas ao mundo;o avião(Dumont era um charlatão,demasiado sensível ou sem visão empreendedora?)e o biocombustível(carro à álcool)os usineiros se contentaram em serem cúmplices no batismo e em danificar os motores dos carros dos cidadões.

  3. Esta pesquisa vem comprovar o já sentíamos meio que o intuitivamente. Lula pareceu um bom governante mas a verdade é que não soube aproveitar os bons ventos daquela época e fazer muito mais, pois não é um estadista. Governar com dinheiro é fácil. Muito bom trabalho, que deixa os reis SulAméricanos nus e com este tipo de políticos, estaremos condenados a voos de galinha com a flutuação comercial das commodities, condenados a exportar tonelagens.

  4. Satanás está de braços abertos para receber o Luladrão. Segundo o capeta, a popularidade de Lula no inferno já alcançou o percentual de 100% ; vai ser uma festa de arromba com a chegada do molusco, que irá, segundo Caim, acompanhado de Gleisi, a amante.

  5. A “popularidade” do lula não existe. Ele comprou esse popularidade para pressionar o judiciário a não condená-lo em segunda instância. Ocorre que nem os Juízes de Curitiba e muito menos os Desembargadores de Porto Alegre vão cair nessa. O lula, felizmente, acabou e o PT acabou junto!

  6. A tal popularidade de lula não existe. Ele comprou esses índices na expectativa de pressionar o judiciário a não condená-lo em segunda instância! Ocorre que nem os Juízes de Curitiba e nem os Desembargadores de Porto Alegre vão cair nessa. O lula, felizmente, acabou e o PT acabou junto!

  7. Alguns comentaristas aparentemente não leram com atenção o post. Em particular a palavra ‘latino-americano’. Ou seja, isso que os pesquisadores mediram é um sintoma de terceiro-mundismo. Pouco ou nada vale um governo em um país dependente, e nada vale um que não aumente a independência econômica de um país. O Brasil é uma colônia, em outras palavras. Exportamos matéria-prima, e é só. A principal pergunta que se deveria fazer para os candidatos a presidente é: ele vai incrementar a industrialização? Em segundo lugar, e quase tão importante: ele vai potencializar o mercado interno? Vai investir em pesquisa e desenvolvimento? Vai respeitar as estatais, incentivando-as dentro do financeiramente possível? Isso tudo é óbvio, e mais antigo que andar para frente. No entanto, o último governante que realmente levou a sério tudo isso foi Ernesto Geisel. Depois, só tivemos destruição e retrocesso.

  8. Ou seja, demonstraram que a América Latina não tem capacidade para agregar valor através de processos industriais ou serviços mais sofisticados. Só vai para a frente se o resto do mundo ajudar a puxar, não tem força econômica própria.

  9. Tem vezes que para uma análise política, melhor utilizar os indicadores econômicos. Matemática é exata. Já a ciências humanas, incluso a Política, é inexato e permeada de sofismos.
    Pela atual conjuntura econômica mundial, o Brasil tende a ocupar uma posição de mero fornecedor de matéria prima. Tirando pouquíssimas exceções, exemplo Embraer… nos resta fornecer gêneros derivados do agro negócio.

  10. E precisaram de dois pesquisadores da FGV para descobrir essa obviedade? Ora, isso é o que já venho dizendo há praticamente uma década toda vez que me aparece algum desinformado com a conversinha de que “nossos melhores anos foram na era Lula”. Lula e sua gangue surfaram na onda das commodities e mantiveram o crédito artificialmente baixo, E SÓ! No mais, o mesmo keynesianismo encardido de sempre com fortes doses de intervencionismo, populismo barato e muita propaganda nos veículos de comunicação. O país não se desenvolveu em praticamente nada em termos de infraestrutura, segurança ou nível de desenvolvimento da população. Qualquer pessoa que não seja um esquerdopata lunático e que dedique o mínimo de tempo para aprender o absolutamente básico de economia consegue ver isso.

    1. Mais uma prova de que em realidade o “Brasil Maravilha” do molusco peace & love, não passou de uma miragem, um belo engodo.
      Mas como o motorista bêbado que mata todo mundo e sai ileso, o diabo sempre ajuda quem não merece, hein?

  11. Lula se beneficiou das reformas realizadas no Plano Real, como o controle da inflação e a flutuação cambial, e se apropriou de programas do governo FHC, que ele rebatizou. Não governava: vivia viajando e em cima de um palanque. Não fez UMA única reforma necessária. Só gogó.

  12. Pura balela, se isso fosse msm verdade a Austrália estaria ferrada, tipo uma Grécia da vida, Venezuela ou msm Brasil. Tivemos um salto de consumo em todo o mundo, nunca foi tão ” marcadológico” o mundo. Aqui no Brasil temos uns problemas q são oligárquicos, de esteamento burocrático, de precariedade de serviços de internet. Lula, FHC e toda essa tralha ja era, isso é esgoto. O Brasil so vai crescer se sucumbir ao poder da nova força mercadologia, q é oriunda do Google, Facebook e Cia. Esses clãs de ACM, Neves e Cia ja era, essa utopia falsa de Che ja virou carniça. Hj com a internet temos um comunismo real, e uma transparência sem precedentes. Aceitemos q sofreremos menos, e sem perda de tempo. Chegaaaaaaaaaaaaa

  13. otimo estudo. Só vem provar que o pais nao é uma ilha. As pessoas têm sempre o costume de pensar que tudo o q acontece é culpa ou mérito do governante mas na verdade depende de tudo o mais q as pessoas não veem e nao querem olhar. Como sempre fazem comparam o Brasil com EUA e Europa o tempo todo, ignorando as ocorrencias economicas que impactam a America Latina como um todo e nao um ou outro pais por causa do presidente desse pais.

  14. É uma análise triste justamente por ser real.
    O eleitorado médio não consegue ir além do superficial “tá bom, reelege; tá ruim, troca”.
    O nível educacional não permite aprofundamento: “está bom ou ruim POR CAUSA, ou APESAR DE?”

  15. Verdade. A américa latina é uma grande fazenda.
    .
    Isso ocorre porque a região nunca adotou o capitalismo liberal. Sempre caiu em discursos vitimistas que os malvados “neoliberais” queriam tomar as riquezas do continente como Cabral fez há 500 anos (defendida por muitos livros de intelectuais da região, entre os quais, a famosa aberração “as veias abertas da américa latina” do eduardo galeano). Assim foi criado todo um sistema na região que impede ou dificulta o empreendedor, a concorrência e a livre iniciativa (impostos, burocracia, financiamento governamental a amigos).
    .
    Ironicamente, o setor agrícola sempre foi odiado por essa gente. Defendem até hoje uma suposta reforma agrária. Ainda bem que não conseguiram fazer. É graças a não interferência do governo, que a agricultura latina é forte e sustenta a região.
    .
    Se alguém quer uma lição prática do capitalismo na AL compare os setores agrícola x industrial/serviços. Na agricultura funcionou a “mão invisível”, os governos da região não conseguiram fazer a reforma agrária, mercado livre, e o campo ficou rico. Na indústria e comércio houve larga interferência governamental e a pobreza se espalhou.

  16. Foi onde mais notadamente o grande beneficiado foi o agronegócio. Os prejuízos do passado foram compensados aos produtores rurais das grandes commodities por uma bonança pujante e rica. Como somos um das grandes potências na produção de grãos e carnes, tudo veio a calhar. Como se ouve de muitos conhecedores do assunto: “Naquele período em que o Lula teve a felicidade de governar, até um cachorro bernento como presidente teria a glória de auferir o sucesso que houve”.

  17. Finalmente algo de inteligência óbvia confirmado por pesquisadores brasileiros. Infelizmente, a burrice da população desinformada e dos estudantes secundaristas ignorantes ainda é maioria no país da banânia! Lamentável!