Lula já perdeu

O teorema de Kakay, segundo o qual a prisão aumentaria a popularidade de Lula, foi ridicularizado pelos eleitores no último domingo.

É o tema da coluna do Diogo na Crusoé.

E se o poste ganhar? Relembre o que foi a era Lula AQUI

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Kakay é aquele advogado fanfarão que se gaba por ter ‘chantageando’ um padre, diretor do seu colégio, após flagra-lo fazendo sexo com uma aluna? Hummm… Que padrão moral! Bem PT mesmo!

Ler mais 44 comentários
  1. Kakay é aquele advogado fanfarão que se gaba por ter ‘chantageando’ um padre, diretor do seu colégio, após flagra-lo fazendo sexo com uma aluna? Hummm… Que padrão moral! Bem PT mesmo!

  2. Não sejam ridículos! O PT saiu de um impeachment há 2 anos, tem sua cúpula presa, incluindo um ex Presidente e ministros, vai para o 2o turno e faz a maior bancada da Câmara e perdeu? Abram o olh

  3. Tenho náuseas só de ouvir o nome desse rábula.Agora besta ele não é.Alegar aumento de popularidade do cachaceiro preso foi uma forma indireta de alegar que solto seria menos pernicioso.É P@uta V

    1. Carregue o suplício para a cela e passe os dias ouvindo ele cantar blowin’ in the wind, pois com tortura fica popular mais rápido e, de quebra, ainda pode culpar Bolsonaro pela tortura.

  4. Ele conhece os cpf”s , as contas corrente, os anéis de couro da turma GM, DT,MAM,RL…aí fica fácil…até eu que não sei porra nenhuma de leis, sigam o Kakay, gayzão..o dimdim está ali1

  5. O povo brasileiro é cumpridor das leis e não gosta de presidiários. Só se preocupa com “dignidade” de presidiário quem tem tendências para o crime e quer garantir a segurança do próprio rabo

    1. Fernando o dicionário da petezada passou por correção. Não se grafa mais “pobrema” e sim “plobrema”, e mais chique.

    1. Teoremas são proposições lógicas de encadeamento hipotético dedutivo. Frequentemente, dá-se o nome de “teorema” para meras conjecturas para sugerir que elas são necessárias, sem serem.