ACESSE

Maia: "Quem quer ganhar acima do teto vai para o setor privado"

Telegram

Em abril, depois de adiar a votação do requerimento de urgência do projeto que tenta acabar com os salários acima do teto constitucional no funcionalismo público, Rodrigo Maia disse que “em breve” resolveria a questão.

O assunto foi ficando em banho-maria, O Antagonista cobrou e nesta terça-feira (7) o presidente da Câmara, enfim, voltou a tocar no assunto.

Maia reconheceu que há pressão sobre o tema — pressão esta antecipada pelo site no dia em que a Câmara votaria a urgência da matéria — e que isso tem impedido a votação da proposta.

“Pedir para não pautar não resolve o problema. Quem quer ser servidor tem de ganhar até o teto, quem quer ganhar acima vai para o setor privado. Tem que encontrar uma solução, a solução não é tirar de pauta e esquecer o assunto.”

Maia acrescentou:

“Tenho discutido para buscar qual é o melhor caminho, mas agora, da forma como está, há uma grande distorção em relação ao que manda a Constituição.”

Leia mais: A guinada de Bolsonaro para ficar no poder

Comentários

  • EGIDIO -

    Não precisaria nenhum PL ou PEC. A Constituição é mais do que clara. O fato é que Juízes Promotores violam a lei descaradamente. O CNJ vive a legitimar ilegalidades. No Brasil, 2 mais 2 pode ser 5.

  • Salvador -

    Há anos, aliás desde sempre, que não está de acordo com a Constituição, mas ela não vale para Judiciário e Legislativo, that simple..

  • Roberto -

    Só ficou uma dúvida, quando se fala em teto, inclui aí as contribuições caixa dois das empreiteiras pros políticos? Ou isso continua por fora?

Ler 63 comentários