Mais capitalismo, menos penduricalhos

Luís Roberto Barroso, em sua entrevista à Folha de S. Paulo, defendeu a PEC 241:

“A responsabilidade fiscal não tem ideologia. O Estado não pode gastar mais do que arrecada porque os juros sobem, gera inflação, e isso penaliza os mais pobres (…).

A disputa não deve ser contra a PEC. E sim na discussão do orçamento, que não existe no Brasil. É nela que o país define suas políticas públicas e faz as suas escolhas trágicas”.

Ele defendeu também o corte nos salários do Judiciário:

“Eu sou contra todos os interesses corporativos, inclusive os do Judiciário, inclusive todos os penduricalhos que os juízes ganham.

É preciso diminuir o Estado. Não há alternativa. Vamos precisar de menos Estado, menos oficialismo, mais República. E talvez até um pouco de capitalismo, que aqui vive de financiamento público e reserva de mercado.

O modelo no Brasil não é propriamente capitalista. É um socialismo para ricos”.