Mais processo contra a decisão de Maranhão

Marcelo Aro e o PHS também acionarão o STF nas próximas horas contra a decisão de Waldir Maranhão. O deputado falou com O Antagonista antes de embarcar para Brasília:

“Vamos entrar com todos os recursos possíveis. Meu medo é de que tudo isso tenha sido calculado”.

Foi.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;

Ler 14 comentários
  1. Todo o patrimônio dessa vagabundagem teria de ser confiscado. Perguntem a qualquer brasileiro decente se por acaso estaria sendo cometido algum abuso, penalidade extrema etc. A vida de determinadas pessoas é construída sobre a infelicidade da comunidade que os cerca. À medida que sobem, sempre em desprestígio e prejuízo de outrem, aumentam o mal causado a ponto de atingirem toda a sociedade brasileira. Não há mérito algum, nunca trabalharam de fato, a não ser que consideremos roubo, assassinato, extorsão, tráfico de influência, prevaricação, quadrilha etc. como lícitas atividades doravante.

  2. Além das propinas propriamente ditas, acrescente-se ao valor da conta que nos apresentaram, e cobraram sem o nosso consentimento, dos gastos com a própria CPI. A dinheirama não saiu dos bolsos dos deputados. Se não der pra botar a soma(money mesmo) na conta da dilma, inscreva-se pelo menos o seu modus-operandi no exemplar currículo de falsidade, falcatruas e malfeitos de como uma terrorista age para rapinar um país.

  3. +++ Emerson S. Monteiro 8 minutos atrás • MUITO POUCO os 78 MILHÕES • Têm que BLOQUEAR TODOS os BENS • DEIXAR os BANDIDOS ====== Somos o único país do mundo em que não há sequer 1 Fiscal Federal acusado de corrupção. Não temos Fiscais Corruptos. Ganhamos da Noruega.

  4. http://politica.estadao.com.br/blogs/supremo-em-pauta/excepcional/ “Porém, mesmo quando julga um caso excepcional, o STF cria a expectativa de uma regra: essa decisão valerá para todos os casos semelhantes? Afinal, não faltam parlamentares em situação equivalente. Se a medida foi adotada como substituta da prisão preventiva, poderia ser aplicada na ausência de flagrância crime inafiançável? Deverá a Câmara dos Deputados resolver sobre a manutenção dessa suspensão do exercício do mandato? O Supremo parece resolver uma questão e abrir outras tantas.”