Mais um rolo financeiro de Alexandre Kalil

Alexandre Kalil, candidato a prefeito de Belo Horizonte, é um sujeito complicado.

Além de dever 7 milhões de reais na praça, tanto ao fisco da capital mineira como a fornecedores da sua empresa, a Erkal Engenharia, ele disse que vendeu 37,5% de um apartamento a familiares, para arrumar os 2,2 milhões de reais que colocou na sua campanha.

Primeiro problema: no contrato de venda da sua parte do apartamento, não constam o nome nem o endereço dos três compradores. Apenas as ocupações deles: advogado, médico e estudante — as mesmas dos seus filhos. Kalil ainda não respondeu se foram os filhos que adquiriram um pedaço do imóvel.

Segundo problema: para arrecadar 2,2 milhões de reais, o apartamento deveria valer 5,9 milhões de reais. No entanto, o preço de mercado do imóvel é 3 milhões de reais.

A suspeita é simples: Kalil não teria vendido parte do tal apartamento, mas forjado um contrato para justificar a entrada do dinheiro na sua campanha.

João Leite, o seu adversário, pediu ao MPF que investigue esse imbróglio.