Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Manutenção de promoções de servidores na PEC Emergencial pode custar 1,2 bi por ano

Manutenção de promoções de servidores na PEC Emergencial pode custar 1,2 bi por ano
Foto: José Cruz/Agência Brasil

O acordo feito pelo governo federal para manter a maior parte dos gatilhos na PEC Emergencial pode custar ao governo em torno de R$ 1,2 bilhão ao ano, estimam integrantes do Palácio do Planalto.

Ao longo da tarde de ontem (10), o governo firmou acordo com os deputados para retirar das ações emergenciais de contenção fiscal a suspensão da progressão e de promoção funcional dos servidores públicos.

A PEC prevê a adoção, automaticamente, de medidas de responsabilidade fiscal, que serão acionadas quando as despesas da União ou dos estados corresponderem a 95% das receitas correntes.

Entre as ações, o poder público fica proibido de conceder reajustes para servidores públicos, criar cargos, realizar concursos públicos ou criar despesas obrigatórias. Porém, após pressão da bancada da bala, União, estados e municípios vão manter as progressões e promoções funcionais. Estas progressões e promoções custam, por ano segundo o governo, cerca de R$ 1,2 bilhão.

Leia mais: A prisão do deputado Daniel Silveira, que ofendeu ministros do STF num vídeo, é mais um capítulo da avacalhação da democracia brasileira.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO