Marcelo Odebrecht fala de "contradições" em depoimentos de Emílio e Palocci

Além de agora negar a existência do Setor de Operações Estruturadas, Marcelo Odebrecht diz que há contradições em depoimentos do pai Emílio e de Antonio Palocci sobre Lula.

No depoimento à Justiça Federal em Brasília, ele confirmou que negociou com Palocci e Paulo Bernardo uma doação de US$ 40 milhões (R$ 64 milhões à época) para o PT, em troca do aumento da linha de crédito do BNDES para obras da construtora em Angola.

No entanto, negou que tivesse tratado diretamente com Lula sobre esse acerto. Disse que falava com Paulo Bernardo, ministro do Planejamento à época, que teria sido nomeado um interlocutor de Lula no caso.

Exclusivo: os pagamentos de bancos e outros gigantes a Lula e a campanhas do PT, segundo Palocci. CONFIRA

“A responsabilidade da relação das tratativas com Lula sempre foi do meu pai. Nunca participei de nenhuma tratativa envolvendo Lula. Nunca se tratou de nada ilícito. Tudo que sei de envolvimento de Lula, era que meu pai, Alexandrino [Alencar] e [Antonio] Palocci me falavam. Nos e-mails deixo claro isso. Tenho condições de dizer o que meu pai disse e que Palocci me disse. A questão de Lula tem que ser esclarecida por meu pai e Palocci”, afirmou.

“É tremendamente injusto fazer qualquer espécie de acusação ou condenação de Lula sem que se esclareça contradições nos depoimentos de meu pai e Palocci”, completou depois.

Ele não esclareceu quais são as contradições nos depoimentos de Emílio e Palocci no caso.

Comentários

  • Lucia -

    A máfia brasileira rides again! Estão se unindo para voltarem com toda força! Como nos velhos tempos...

  • ROSÂNGELA -

    qual é a dele agora? Virou advogado do Lula?

  • Karmen -

    manda estes dois p cadeia, que eles já já falam igual

Ler 103 comentários