Marqueteiro barato vira regra na disputa de 2018

As campanhas presidenciais deste ano não contarão com a presença de marqueteiros estrelados que marcaram as disputas no país nas últimas duas décadas, registra O Globo.

“Agora, os profissionais de marketing terão que se contentar com orçamentos bem mais enxutos para fazer propaganda.

O teto legal de todos os gastos para cada candidato a presidente, este ano, é de R$70 milhões no primeiro turno, e R$ 35 milhões no segundo. Em 2014, só o marqueteiro João Santana, que fez a campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), cobrou montante semelhante por seu trabalho. E parte desses recursos foi recebida via caixa dois, como ele mesmo admitiu em delação premiada ao Ministério Público Federal.

Neste ano, o PT e os demais partidos só poderão recorrer aos recursos dos fundos Eleitoral e Partidário para custear a campanha.”

Este “só”, registramos, é no sentido de que os partidos não poderão mais recorrer legalmente a doações empresariais, vetadas pelo STF.

“Os políticos ainda podem recorrer às doações dos eleitores, mas não há grande expectativa sobre essa receita.”

Os petistas que o digam.

A vaquinha de Lula murchou

Vaquinha virtual de Skaf supera a de Lula

Partido Novo lidera doações de vaquinha virtual

Uma pergunta para Luiz Fux sobre fake news

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. NÃO TEREMOS MARQUETEIROS!!!!!!! NÃO PRECISAMOS DE MARQUETEIROS!! – Bolsonaro no Maranhão . Cirão, o orçamento tá curto .. como vamos pagar o marqueteiro?? PAGANDO !! #Bolsonaro2018

Ler mais 3 comentários
  1. NÃO TEREMOS MARQUETEIROS!!!!!!! NÃO PRECISAMOS DE MARQUETEIROS!! – Bolsonaro no Maranhão . Cirão, o orçamento tá curto .. como vamos pagar o marqueteiro?? PAGANDO !! #Bolsonaro2018

  2. O problema da eleição deste ano é a credibilidade próxima de zero no tocante ao voto. Com os votos dirigidos pela urna eletrônica segundo desconfiança geral justificada pelo STF ao ignorar a vigência da Lei que obriga sua impressão, resta-nos agora ver grande parte do mesmo Congresso reeleita.