Marun solicitava facilidades para sindicatos em troca de apoio político, diz PF

A Folha obteve um documento da PF que mostra que funcionários do Ministério do Trabalho fraudavam pareceres para atender pedidos do ministro Carlos Marun.

Segundo a investigação, Marun pedia por meio de sua chefe de gabinete, Vivianne Lorenna de Melo, “facilidades para sindicatos de Mato Grosso do Sul, possivelmente em troca de apoio político no estado, seu reduto eleitoral”.

Mensagens trocadas pela assessora com servidores do ministério foram flagradas dias antes da Operação Registro Espúrio.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 22 comentários
  1. Investigam os operadores do balcão d negócios q são nossos políticos, sempre favorecendo seus correligionarios em pecadilhos so mundo politico, mas os q nos queriam escravizar, submeteram o Brasil a órgãos internacionais e usaram nosso dinheiro p implantar ditaduras em outros países estão livres.

  2. O novo dançarino do Congresso que substitui Angela Guadagnin também já está deixando a bunda aparecer. Infelizmente maioria dos eleitores de Mato Grosso do ainda é analfabeta, Estado atrasado.

  3. Depois de falar com a Márcia agora tem que falar com a Viviane?
    Esses canalhas pomposos, lotados de mediocridade no corpo, obesos, falastrões, ávidos por um holofote, um dia são pilhados. Segue o roteiro de atacar a investigação e quem investiga não conseguir rebater as provas. Sempre assim.

  4. Outro sapo sujo no lamaçal nojento em que transformaram este país, PT + MDB + PSDB e legendas de aluguel, tipo “centrão”.
    Houvesse decência e brio neste país já teriam sido extirpados da vida política nacional e todos estariam na cadeia.

  5. O Antagonista iu a Crusoé deveriam fazer uma investigação sobre as relações de causa, efeito, sincronia e timing entre declarações de certos políticos – no caso de Marun, o golpe de estado fracassado montado por Janot – e os vazamentos seletivos sobre eles. Seria, no mínimo, muito interessante..