"Me diz uma coisa, aquela contribuição tá sendo repassada?"

As investigações da Operação Calvário mostram que o dirigente da Cruz Vermelha Daniel Gomes, que tornou-se colaborador premiado, seria o responsável por pagar uma propina mensal de quase R$ 360 mil para agentes públicos.

O valor não sairia do bolso da Cruz Vermelha. Segundo o delator, o dinheiro da propina foi colocado como sobrepreço no contrato de transferência da gestão do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena para a organização social, como acordado com o ex-governador Ricardo Coutinho.

Em um diálogo gravador pelo delator, Coutinho pergunta a Daniel Gomes se o valor foi repassado corretamente.

OS NEGÓCIOS FENOMENAIS DE LULINHA. Leia aqui
Mais lidas
  1. Huck 2026?

  2. Urgente: MP aponta desvio de vacinas em Manaus e pede prisão do prefeito; desembargador declina

  3. Bolsonaro: leite condensado é para 'enfiar no rabo' da imprensa

  4. Pandemia 'pode ter sido fabricada', diz Bolsonaro

  5. Permita-se fazer como o doutor Nogueira e dizer 'Teu c...'

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 28 comentários
TOPO