'Meu processo teve dedo de Bolsonaro', diz Wilson Witzel

Meu processo teve dedo de Bolsonaro, diz Wilson Witzel
Foto: Reprodução/CNN

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), segue dizendo que está sendo perseguido em seu processo de impeachment.

O Tribunal Misto decide amanhã se ele perde o cargo e os direitos políticos.

Witzel está afastado desde agosto do ano passado.

Em entrevista ao Estadão, o governador acusou Jair Bolsonaro de interferir na investigação que levou a seu afastamento.

“Certamente tem o dedo dele [Jair Bolsonaro]. Quem começou essa denúncia junto com a Lindôra foi o (deputado bolsonarista) Otoni de Paula. E há informações de que o dossiê contra mim foi elaborado dentro do Palácio do Planalto junto com o Otoni de Paula, tanto que ele é citado pela Lindôra no início da investigação.”

Witzel disse que não descarta a possibilidade de concorrer à presidência em 2022.

Não descarto a possibilidade de ser candidato a  presidente. Acho que o que temos hoje no cenário é muito ruim, mas é evidente que não sou candidato de mim mesmo. Temos que ter uma análise do cenário.”

 

Leia mais: O impeachment de Bolsonaro entra na agenda.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO