Militares na política: melhor na urna do que no tanque

A Veja fez uma conta:

“Além de Cabo Daciolo e General Mourão, outros 533 candidatos optaram por incluir suas patentes ou graduações militares no nome de urna para as eleições deste ano, sejam das Forças Armadas, das Polícias ou de Bombeiros Militares. O número é mais de 12 vezes maior do que o registrado em 1994, quando 43 postulantes apostaram na militarização de nomes para atrair votos. Em relação a 2014, o aumento total é de 39%. O número representa 1,85% do total de 28.969 candidatos.”

Melhor na urna que no tanque, convenha-se.

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 15 comentários
  1. AS FFAA não lutam pelo poder!Elas se capacitam e apoiam o país na formação de uma democracia sustentada no DIREITO e no DEVER dos brasileiros a uma Pátria próspera, com empregos, saúde e segura

  2. Tomara sejam todos eleitos a cmeçar por Bolosonaro/Mourao passando por todos os que estiverem a direita, sem ficha suja, com ou sem farda, só assim pra passar esse país a limpo. Ou isso, ou na bala

  3. A eleição é um concurso para o cargo público que oferece além dos melhores salários, mordomias e poder. Detalhe: não exige preparo intelectual, basta mentir e saber enrolar os babacas.

  4. mas aviso, se houver um golpe de mao de Toffoli e Levandouisque em relaçao a lula, ou mesmo em um desastre de um Hadad eleito, aí tem tanque sim ! Insisto, há tempos existe uma liha traçada no cha