Miller rebate presidente da CPI sobre pedido de prisão

A defesa de Marcello Miller reagiu ao pedido de prisão apresentado à PGR pelo senador Ataídes Oliveira, presidente da CPI da JBS.

Leiam a nota:

1. Embora amparado por habeas corpus que lhe garantia o direito ao silêncio, Marcello Miller compareceu à CPI e respondeu a todas as perguntas feitas, explicando com clareza o conteúdo e o contexto dos elementos que lhe foram apresentados.

2. Marcello Miller não cometeu crime algum. Não poderia ter integrado organização criminosa, pois seu objetivo era o contrário: incentivar a remediação da empresa J&F, inclusive perante autoridades públicas. Não praticou exploração de prestígio, pois nunca solicitou nem recebeu utilidade alguma a pretexto de influir em quem quer que fosse.

3. A alegação de uso do cargo por Miller é inteiramente desprovida de fundamento e colide com a prova documental por ele apresentada à CPI em sessão aberta. A prova é clara no sentido de que Miller não exerceu, no MPF, nenhuma atribuição relativa ao grupo J&F, seus controladores ou seus executivos.

4. A defesa estranha a notícia de representação por prisão, tendo em vista que a única autorização legal para pedidos cautelares por presidente da CPI diz respeito a bens, e mesmo assim quando houver “indícios veementes da proveniência de bens ilícitos (Lei nº 13.367, de 2016)”, o que de fato não ocorreu no caso de Marcello Miller.

5. Marcello Miller se mantém à disposição das autoridades, inclusive da CPI, para prestar quaisquer esclarecimentos que julguem necessários.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Odivar Meneghetti disse:

    E a grana que recebeu quando ainda era funcionario do MPF, que parece que foi propina para treinar os Irmãos Batista na delação?

Ler comentários
  1. Klauss disse:

    Janot, Miller e amiguinhos advogados 'doto' interessados em meter a mão no dinheiro roubado do BNDES, Caixa, dividir a grana ou acham que Janot estava de óculos escuros feito mafioso jogando conversa fora com advogado do Joesley que estava sendo denunciado por ele com perdão jamais visto nesse país. Como diz aquele conto do advogado que livrou o ladrão da cadeia e foi cobra-lo e o mesmo respondeu, calma que ainda não vendi o roubo.

  2. Baal disse:

    Eu acredito em Papai Noel, coelhinho da Páscoa, OVNIS, que Elvis não morreu e que Genoíno, Zé Dirceu e Lulla são inocentes.

  3. MPF, ANTRO DE COMUNISTAS disse:

    MPF, a VERGONHA do BRASIL! http://revistapress.com.br/v15/index.php/manoel-pastana-o-ministerio-publico-federal-foi-aparelhado-por-procuradores-de-esquerda-para-proteger-o-pt/

  4. Gilmar Lopes vieira disse:

    O PIOR DE TUDO, É SABER QUE VOCE ESTÁ SENDO JULGADO POR GENTE SEM MORAL PARA TAL, GENTE DENUNCIADO POR CORRUPÇÃO, ESSA JUSTIÇA BRASILEIRA VAI DE MAL A PIOR.

  5. Claudio G. de Oliveira disse:

    Deixa ver se eu entendi: Miller era o principal auxiliar de Janot, mas de repente, ele resolve deixar um empregão no MPF para atuar como advogado. Em casos assim, a Constituição prevê uma quarentena de três anos (artigos 95 e 128). Só que ele não esperou esse tempo, e três dias depois, já estava advogando para a JBS. Disse ainda que fez uma “lambança”, e deu a entender que, se fosse preso, não cairia sozinho. Bem, por menos do que isso alguns dos criminosos da Lava Jato já estão em cana, não é mesmo? Mas, por que divulgar essa conversa mole da “defesa”? Por que dar crédito ao papo furado desses advogados que ganham milhões defendendo bandidos? Todo mundo já sabe que essa delação da JBS não passou de uma “lambança” da PGR. Este site, realmente, já viveu dias bem melhores...

  6. Heldomiro Machado disse:

    Fulano de tal "se mantém à disposição das autoridades", esse é o chavão usado por todos aqueles que tem algum "problema" com a JUSTIÇA. Esse indivíduo e o seu ex-chefe precisam explicar o caso JBS e a delação premiada.

  7. Adalberto Pires da Anunciação disse:

    Ahhhhhh! É comovedor ver o espaço que vocês dedicam à nota da defesa de Marcelo "Não foi crime,.foi lambança" Miller, Antagonistas. E é também inteiramente em linha com o que se espera de vocês, já que deram a maior força para o rapaz e seus asseclas Janot, Joesley Safadão e outros durante a tentativa derrotada de emplacar aquela maracutaia hoje exposta e desmoralizada que eles armaram. Pelo que, parabéns. Continuem assim e façam exatamente o mesmo nos casos dos fujões Pelella e Janot assim que eles forem indiciados, já que, com a urucubaca que vocês dão a tudo e todos a quem apóiam, vai ser cana certa para eles todos.

  8. Sobrinhos do Capitão disse:

    "Procurador federal denuncia na Press: "Durante 15 anos, o PT aparelhou o MPF" Entrevista de seis páginas que o procurador do MPF do RS, Manuela Pastana, concedeu ao jornalista Júlio Ribeiro, revista Press deste mês.