Modus operandi criminoso no BNDES

O “modus operandi criminoso” de Lula em favor da Odebrecht incluía, em particular, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho.

Diz a Época:

“Um laudo produzido por peritos do MPF cotejou as agendas oficiais de Coutinho com as datas das viagens do ex-presidente para países onde há obras da Odebrecht financiadas pelo BNDES. ‘Ao relacionar as datas das etapas do processamento das operações de financiamento com as visitas do ex-presidente Lula a países com projetos financiados pelo BNDES e com os encontros oficiais de Luiz Inácio com o mandatário do BNDES, pode-se verificar uma proximidade temporal entre os eventos’, diz o relatório dos peritos do MPF”.