Moro analisa normas propostas pelo BC

Sergio Moro criou um grupo de trabalho para analisar as normas propostas pelo BC contra a lavagem de dinheiro.

Segundo o Estadão, o BC defende que, “com o fim do parâmetro de 10 mil reais, bastará aos bancos identificarem operações suspeitas para que elas sejam encaminhadas ao Coaf.

Já a retirada da menção aos parentes de políticos, na visão do BC, permitiria aos bancos intensificarem a fiscalização sobre quaisquer pessoas ligadas aos ocupantes de cargos públicos, e não apenas familiares.”

O pacote linha-dura de Moro vem aí. Não podemos mais esperar. Leia aqui

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 36 comentários
    1. Isso é o correto, Marlene. Mas a turma das sombras arruma qualquer justificativa esfarrapada prá justificar o injustificável. Eles parecem até advogados de réus confessos. Transparência não é

    2. Perfeito! Assim como continuar comunicando toda movimentação acima de 10 mil, além de qualquer outra movimentação suspeita, independentemente do valor. A “suspeição” não pode ser monopólio

  1. Moro tem q ficar de olhos bem abertos com esse pessoal q veio do mercado financeiro. Mudanças na legislação sobre CC5, qdo Franco era diretor do BC, permitiu evasão de US$ 30 bilhões do país

  2. Se me lembro bem, antes destas normas serem criadas era uma bagunça. Todo mundo podia ser investigado, mas ninguém era de fato, por isso criaram-se as regras e agora, não precisa mais?!

  3. kkkkkkkkkkk esse país é uma piada. O BC querendo que os bancos agora seja um agente de investigação, quando na verdade são apenas repassadores de informações ao BC. Está muito obscuro e tem tr

  4. Isto é engodo, busca na diminuição do controle e da responsabilização por ele, um grande erro basta colocar “de familiares e demais pessoas ligadas a ele” ou “R$ 10.000,00 ou qualquer outra su

  5. Justificativas horríveis do BC. Sim, o BC tem que ficar esperto com a movimentação de qualquer pessoa, mas os parentes de políticos requerem atenção especial, pois é comum usá-los como laranja

  6. Se ficar a critério do Banco informar ou não o que ele acha suspeito, o combate ao crime acabará prejudicado. Ora, os bancos muitas vezes têm filiais em paraísos fiscais só para lavagem de $.

  7. O BC na mão de Guedes e amigos será só mais um agente do globalismo. Viva Donald Trump que conhece os métodos da banqueirada globalista no FED. Bolsonaro é só um bobinho na mão de Guedes!

    1. O que você está falando é loucura, cara! Você anda bebendo muita cachaça e fumando muita maconha! Essa papo de globalismo é coisa da cabeça do maluco Olavo de Carvalho.

    2. Só lembrando que Armínio Fraga saiu do colo de George Soros diretamente para comendar o BC em 1999. Hoje ele faz parte do conselho consultivo de “notáveis” montado pelo Paulo Guedes.

  8. Os bancos têm unidades em paraísos fiscais. Muitos deles fazem lavagem de dinheiro para os clientes. O HSBC, recentemente, apareceu num escândalo desse tipo. Essa norma está aí de má-fé!

  9. Muito estranho exatamente o BC querer afrouxar a vigilância sobre os politicos e seus parentes. Muito estranho. Somente essa sugestão já justificaria um investigação sobre quem deu essa sugestão

  10. Vamos proteger nossos bandidos de estimação, nossos políticos chefes do tráfico e chefes de milícia. Não a honestidade. Não a descendência. Não a moralidade! Chega de hipocrisia.

    1. Essa é a realidade atual. Não será fácil mudar. Principalmente com petralhas e bostaminions orbitando os 3 podres poderes.

    1. Claro. Até os Generais não é seu Petralha? Não se aflija, pois os Generais não tem rabo de palha, viu?

  11. Moro e sua equipe são os melhores para avaliar qualquer resolução/norma referente ao controle de lavagem de dinheiro. A equipe do BC são incompetentes para o combater o crime financeiro.

  12. O banco sabe quem são os bons clientes, honestos, que trabalham , como tambem os malandros. Recentemente negaram aceitar deposito em dinheiro , por precaução. Depois de verificar , aceitaram.