Moro cita ‘O Poderoso Chefão’

Sergio Moro recorreu ao cinema para explicar, em Harvard, como nem sempre casos de corrupção têm um “ato de ofício” específico do agente público para caraterizar o crime.

O juiz federal citou a cena de “O Poderoso Chefão” em que Amerigo Bonasera pede a don Vito Corleone que vingue a agressão a sua filha. Bonasera pergunta se o chefe mafioso quer alguma coisa em troca, e Corleone responde: “Nada agora, mas um dia talvez peça algo”.

A Máfia é uma boa analogia para o modus operandi dos corruptos brasileiros.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

Ler mais 28 comentários
  1. Muito bem observado pelo Moro. O lapso temporal dificulta a investigação. Isto entendido, conclui-se de imediato que a PF, auditores e MP precisam de permissão jurídica, recursos e permissões de atuação expandidas.

  2. o MODUS OPERANDI brasileiro é PIOR do que a MAFIA ITALIANA pois lá são organizações criminosas contra o judiciário e AQUI a ORCRIM está incrustada Dentro do LEGISLATIVO e são os políticos fazedores de Leis os próprios criminosos, ou seja, são piores que a: Cosa nostra, a máfia siciliana e a NHADRAGUETA pois a máfia brasileira faz as leis.

  3. O Quadrilhão Multipartidário talvez tenha batido, tecnologicamente, as organizações criminosas italianas (Camorra, Cosa Nostra, ‘Ndrangheta, Sacra Corona Unita). Certos da impunidade, seus líderes relegaram a omertà. Tudo marchou mais ou menos às claras, por haver fé na tolerância dos chicaneiros, indiferentes ao contribuinte, responsável pela bela remuneração deles e pelos benefícios associados com os seus poleiros, muitos dos quais foram ocupados graças ao empuxe da catapulta política.
    Cabe notar que as organizações italianas só recentemente passaram a operar no plano nacional. Paradoxalmente, deu-se antes sua ação internacional, baseada em laços entre líderes locais e bandidos americanos (de origem italiana ou não). Hoje, se intensificam suas ações no âmbito da União Europeia.

  4. Desculpe, mas aí, com todo o respeito que tenho para com o Juiz Sergio Moro, ele tem que dizer qual o tipo penal. Estaríamos diante de uma corrupção passiva profetizada, futurista ou ad eternum. Não foi feliz na figura de linguagem ou na analogia.

    1. Cheio de ptralha criticando o Moro e defendendo teses paranoicas de seus interesses. Lugar de bandido é na cadeia. Ridícula essa lenga-lenga jurídica-do-interesse-de-bandidos de vocês. O que é certo é certo, e o que é errado é errado. Todo mundo sabe. Menos advogados sem ética e interessados em “causas” ricas, independentemente de onde estiver vindo o dinheiro (crianças mortas por causa de dinheiro desviado de hospitais, por exemplo).

    2. Lugar de bandido é na cadeia. Ridícula essa lenga-lenga jurídica-do-interesse-de-bandidos de vocês. O que é certo é certo, e o que é errado é errado. Todo mundo sabe. Manos advogados sem ética e interessados em “causas” ricas, independentemente de onde estiver vindo o dinheiro (crianças mortas por causa de dinheiro desviado de hospitais, por exemplo).

    3. hei Maria, mas o nove dedos foi julgado por 20 juizes e somente 5 foram favoraveis a ele, alias os piores = Gilmar Mendes, Toffolli, Lewandowski, Marco Aurelio Mello e Celso de Mello.

    4. Bem vindo ao sistema MORO de julgar!!!
      Se cair na mão do juiz Moro não há conversa. A taxatividade do direito penal foi para as cucuias, agora o tipo penal é aberto, como no crime culposo, e Vossa Excelência vai encaixar dentro do tipo onde bem entender a conduta que ele entende ser ilícita, posto tudo agora é elemento valorativo do tipo.
      Se prepara, se a onda pega, todo mundo será um potencial criminoso na mão da juizada e MP

  5. a esquerda dominou de certa forma todos os discursos todos os espaços, todas as fontes de informação, que o óbvio precisa ser DESENHADO para a perfeita compreensão, até daqueles que têm acesso a todas as informações!

    #morolindo
    #moroherói
    #estamoscommoro
    #downwithfakenews

  6. O Antagonista, uma questão, quantos juízes americanos vieram nos últimos meses darem palestra aqui no Brasil? Porque os juízes brasileiros não saem de lá. É uma curiosidade tá.

  7. Se o ladrão não passa o carro roubado para o seu nome, ele não pode ser condenado.
    Se Lula não assinou um recibo de corrupção, cadê a prova?
    Claro que as empreiteiras pagavam tudo sem nenhuma expectativa de receber algo em troca.