Moro diz à PF que soube da relação de Carluxo com gabinete do ódio por ministros palacianos

Moro diz à PF que soube da relação de Carluxo com gabinete do ódio por ministros palacianos
Foto: Adriano Machado/Crusoé

O ex-ministro Sergio Moro disse à Polícia Federal que soube da existência do gabinete do ódio em conversas com ministros palacianos e citou, especificamente, o secretário de Governo (Luís Ramos), o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (Augusto Heleno) e o secretário de Comunicação (Fábio Wajngarten).

Segundo o ex-juiz, esses ministros relacionavam o vereador Carlos Bolsonaro e o assessor especial Tércio Arnaud com a milícia digital. Moro afirmou ainda que “tinha conhecimento de uma animosidade” entre Bolsonaro e Rodrigo Maia, também alvo de ataques nas redes.

No depoimento que prestou à Polícia Federal, Moro foi questionado sobre a existência de perfis nas redes sociais que levavam o seu nome e que teriam sido usados para alimentar atritos entre as Forças Armadas e demais instituições.

A delegada Denisse Ribeiro citou especificamente a página JUIZ SERGIO MORO, do Facebook, com 700 mil seguidores, e perguntou se conhecia as pessoas de Ernani Fernandes Barbosa Neto e Thais Raposo do Amaral Pinto Chaves, responsáveis por páginas bolsonaristas.

O ex-juiz disse desconhecê-los, como também nunca ouviu falar das empresas Inclutech Tecnologia da Informação, Novo Brasil Empreendimentos Digitais e Raposo Fernandes Marketing Digital.

Moro afirmou que, no caso de Sara Giromini, Oswaldo Eustáquio e Renan Sena, só os conhece da internet e da imprensa.

 

Leia mais: Combo Crusoé e O Antagonista+: comece a ler por apenas R$ 1,90
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 106 comentários
TOPO