Moro: “Presunção de inocência não pode ser garantia da impunidade”

O juiz Sergio Moro, no Fórum da Liberdade, em Porto Alegre, comentou há pouco o julgamento do HC de Lula pelo STF na semana passada:

“Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal proferiu decisão muito importante. Não me refiro ao caso concreto do ex-presidente. Foi mais uma vez o apego ao princípio de que, e há toda uma discussão em torno disso, o princípio da presunção de inocência não pode ser interpretado como garantia da impunidade dos poderosos.”

Moro foi bastante aplaudido.

Leia mais:

Moro sobre voto de Rosa Weber: “Você não muda ao sabor do acaso”

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 24 comentários
  1. EXCELENTE MORO… MOMENTO IMPORTANTE QUE NOSSO BRASIL PASSA… NÃO PRECISA SER MUITO INTELIGENTE PRA PERCEBER VER QUEM TRABALHA A FAVOR DA NAÇÃO…PARABÉNS SÉRGIO MORO

  2. É injusto qualquer juiz falar de presunção de inocência do acusado sem no mínimo mencionar as vítimas. Um juiz não pode deixar de escutar os dois lados. Observem nas falas do Gilmar Mendes e Marco Aurélio o tempo dedicado para os acusados (amigos políticos) e o tempo dedicado para a vítima (sociedade) praticamente nulo.

  3. É preciso terminar com essa polêmica instalada pelos 5 deuses do Olimpo STF. Presunção de inocência não é absoluta. Nós com essas interpretações absurdas é falso apelo a direito individual estamos defendendo bandido. Não só corruptos já que a lei é para todos (desculpa o exagero), então como explicamos que só agora o debate pegou fogo, depois do pliantra do “Lula lá”. E o Pimenta Neves era réu confesso, mesmo assim é presumivelmente inocente? Onde estamos? No Brasil da corrupção, de ladrões e políticos corruptos e desonetos, fichas sujas.

  4. Faz parte do vocabulário atual dos esquerdopatas, além de “golpistas”, “facistas” (e não fascistas), as expressões “estado democrático de direito”, “pela democracia”, “empoderamento”, “presunção de inocência”, e, por aí vai…

  5. No meu leigo entendimento sobre o assunto, esse “princípio de presunção de inocência”, já foi cumprido nas duas primeiras instâncias, basta ver a enorme quantidade de recursos, testemunhas, batalhões de advogados, etc… que foram mobilizados em defesa desses marginais. Querem mais o quê??

  6. Se toda complexidade da vida pudesse ser resumida em uma frase, não haveria a necessidade da inteligência no mundo. Presunção de inocência é uma frase genérica cuja amplitude da presunção e da inocência, DEVERIA ser abordada de forma menos figurativa e mais responsável. Para os canalhas e quem depende deles, não enxergando o mundo, um palmo a frente disso, valendo seus honorários mais que o futuro digno para seus filhos e netos, vale a presunção e o transito em julgado. Dane-se a nação.

  7. Os Militares estão contigo Moro .
    Os direitos individuais não podem ser mais importantes
    que os direitos coletivos , a Constituição diz que a lei é para todos independente de . . .
    As leis são para punir os criminosos e resguardar os cidadãos de bem .

  8. E certamente não foi OVACIONADO! Já o Pixuleco foi: abandonado, ovacionado, perseguido, impedido, escondido, quase foragido, amarelou e se entregou. Por fim, ENCARCERADO! Mas gostou do jogo do CURINTIAS!

  9. .
    1) Todos os países civilizados prendem em 2ª instância.
    2) O Brasil sempre prendeu em 2ª instância (exceto entre 2009 e 2016).
    3) Menos de 1% das condenações são revertidas após a 2ª instância.
    4) A Constituição NÃO DIZ que ninguém pode ser preso antes do trânsito em julgado.
    5) A jurisprudência atual tem menos de 2 anos.
    6) Mudar a jurisprudência agora é um casuísmo para salvar Lula.
    7) A mudança libertará também outros corruptos, assassinos, estupradores e pedófilos.
    .
    “Mudar pra quê? Mudar pra quem?”
    – Luís Roberto Barroso