MP diz que porteiro mentiu ao citar Bolsonaro no caso Marielle

Telegram

A promotora Simone Sibilio afirmou hoje que o porteiro do condomínio de Jair Bolsonaro mentiu, ao dizer, em depoimento, que um dos suspeitos de matar Marielle Franco pediu para ir à casa do presidente, no Rio, no dia do crime.

Em entrevista à imprensa no Ministério Público do Rio de Janeiro, que investiga o assassinato, Sibilio disse que teve acesso à planilha da portaria e às gravações do interfone.

Verificou que Élcio Queiroz, acusado de participar do homicídio, pediu para ir à casa 65, de Ronnie Lessa, e não a 58, de Jair Bolsonaro.

“Todas as pessoas que prestam falso testemunho podem ser processadas”, disse a promotora, ressalvando que o porteiro pode ter se equivocado.

Comentários

  • Carlos -

    Querem defender o porteiro? Nada disso! Querem apenas se defender da canalhice perpetrada...

  • ZeldaScott -

    Porque meu comentário não foi publicado?

  • ZeldaScott -

    O fato é que todos moram no mesmo Condomínio.

Ler 185 comentários