MP do Rio denuncia integrantes do Comando Vermelho por lavagem de dinheiro

O MP do Rio deflagrou hoje a Operação Overloado II, contra 12 integrantes do Comando Vermelho denunciados por lavagem de dinheiro. Entre o acusados, estão Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, e Márcio Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, que estão presos na penitenciária federal de Catanduva.

Segundo o MP, foram cumpridos 28 mandados de busca e apreensão por ordem da 1ª Vara Criminal Regional de Madureira.

As investigações tiveram origem com a apreensão de um celular em 2014, no Morro do Juramento.

O MP do Rio afirma que Elias Maluco e Marcinho VP, por meio dos subordinados Eliezer Miranda Joaquim, o Criam, e Felipe da Silva Guimaraes Junior, o Zangado, usaram contas registradas em nomes de terceiros e de empresas ligadas ao esquema para lavar o dinheiro do tráfico de drogas.

Segundo a denúncia apresentada à Justiça, o Comando Vermelho usou as contas de Gustavo Vieira de Oliveira e Danilo Flores da Silva para depositar dinheiro oriundo do tráfico, com conhecimento deles.

Já Liliane Laurinda Rocha e Liz Lelis Rocha permitiram que as contas de suas empresas Expoarte Fast Money e Liliz Brazilian Fast Money recebessem dinheiro do CV sabendo de sua  origem ilegal.

Carolina Melissa Ribas da Costa e Maria Aparecida Campos de Oliveira, sócias da empresa Vest Tur Agência de Viagens, também são acusadas de permitir que as contas da companhia fossem usadas para lavagem.

O mesmo procedimento era utilizado pelos empresários Paulo Morinigo e Vitor Ivanovitch Costite, donos das empresas Paulo Morinigo ME e Vitor Ivanovitch ME.

De acordo com o MP, também havia circulação de dinheiro entre essas empresas. Não foram divulgados valores.

A operação de hoje é um desdobramento da Operação Overload, deflagrada em 2015 e que atingiu 61 pessoas, acusadas de associação armada para o tráfico, segundo os promotores do caso.

Leia mais: Exclusivo: a máquina de lobby da Odebrecht teria sido usada, com a anuência de Toffoli, para ajudar na aprovação do nome dele para o Supremo
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 9 comentários
TOPO