MP pede que Gilmar não dê HC a prefeito dos R$ 80 mil na panela

Em manifestação a Gilmar Mendes, o sub-PGR Edson Oliveira de Almeida afirmou que o MPF “opina pelo não conhecimento” de habeas corpus a Átila Jacomussi (PSB), o prefeito preso de Mauá, informa o Estadão.

Jacomussi foi um dos alvos da Operação Prato Feito. Em 9 de maio, a PF apreendeu R$ 80 mil em espécie dentro de uma panela na cozinha da casa do prefeito.

A Prato Feito foi deflagrada para desmontar um esquema de desvios de verbas da merenda escolar em 30 prefeituras paulistas.

O prefeito de Mongaguá, o tucano Artur Parada Prócida, também foi pego na operação. A polícia encontrou em sua casa R$ 4,6 milhões e US$ 216 mil em dinheiro vivo.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 7 comentários
  1. Este tem DNA da corrução, seu pai é presidente da Câmara Municipal. Se investigarem este município profundamente será um grande favor ao país, o MP tem que ir na Brasken que fica mais ou menos perto da prefeitura. O corrupto Orlando Silva, se escondeu em Mauá quando teve que se afastar do cargo de ministro dos esportes. O prefeito anterior do PT, Donisete Braga fez várias regalias para beneficiar a Odebrecht Ambiental. Um dos apelidos dele nas planilhas da empresa é “Praguinha”. O prefeito presidiário foi superintendente da Sama na gestão do Donisete. Terra esquecida por Deus e todo mundo.

  2. O crime começa nas prefeituras e termina nos Supremos Tribunais, e o Eu -início! quando vai ser um presidente de verdade do senado e por em votação o impeatchaman do Beiço de ouro do STF?

  3. O morubixaba do STF alegará que a panela estava fria, o fogo estava desligado e que, portanto, não haveria nenhuma possibilidade do artefato explodir ou gerar nenhum tipo de violência. Complementará a sentença dizendo que cada um esconde dinheiro no lugar em que bem entender. “Quem não tem cofre, enfia na panela”, arrematará.

  4. E adianta pedir ? Ora , um ministro que não viu ato violento ao soltar o médico Abdelmassih , condenado pelo estupro de 52 pacientes sedadas , não vai dar importância a uma panela com 80 mil dentro de panela .