MPF apura o servicinho de um serviçal

Lauro Jardim, em O Globo:

“O Ministério Público Federal investiga se houve participação do secretário-geral do TCU, Eduardo Rezende, na edição de um vídeo contra o economista Gil Castelo Branco, da ONG Contas Abertas.

No vídeo, feito durante um protesto contra a recondução de Aroldo Cedraz à presidência do tribunal, em 30 de novembro, Castello Branco aparece entregando um cartão de visitas a uma pessoa.

O MPF recebeu a informação de que Eduardo Rezende estaria divulgando o vídeo pelo WhatsApp dizendo ser uma nota de R$ 20 e não um cartão de visitas.

O procurador Frederico Paiva, que conduz a investigação, também oficiou o ministro Raimundo Carreiro, corregedor do TCU, para saber se foi instaurada alguma apuração interna sobre o caso.”

O Antagonista gostaria de lembrar que Eduardo Rezende usou uma câmera de segurança do TCU, paga com dinheiro público, para caluniar e difamar Gil Castelo Branco. Além disso, Eduardo Rezende percorreu salas e gabinetes do tribunal para mostrar o vídeo e, assim, tentar enxovalhar a reputação de Gil Castelo Branco.

Faça o primeiro comentário