MPF contesta norma da Funai que redefine quem é índio

MPF contesta norma da Funai que redefine quem é índio
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério Público Federal recomendou à Funai revogar uma resolução de fevereiro que redefine o conceito de indígena no Brasil.

Em vez da autodeclaração, para provar que é indígena — e receber benefícios sociais enquanto tal — a pessoa deve também demonstrar vínculo histórico e tradicional com a etnia e ser identificado pelo grupo com características culturais distintas da “sociedade não índia“.

A Funai diz que a norma busca evitar fraudes e uma banalização da identidade indígena.

O MPF, no entanto, encarregado de proteção aos indígenas, afirmou, em nota técnica, que a resolução pode acabar minando direitos dos indígenas.

“Os chamados “critérios específicos de heteroidentificação” definidos pela FUNAI, além de contrariarem o direito à autodeterminação dos povos indígenas, revelam-se ambíguos e permitem interpretações descabidas acerca da identidade indígena, como se esta fosse mera cristalização de diferenças biológicas ou culturais entre grupos humanos”, diz o MPF.

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO