Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

MPF em Mossoró processa União por "danos" causados por Moro e Lava Jato

A enormidade faz parte, obviamente, do processo de "reabilitação" do PT e de Dilma Rousseff, para 2022. Essa gente tem método
MPF em Mossoró processa União por “danos” causados por Moro e Lava Jato
Foto: Adriano Machado/Crusoé

O MPF em Mossoró, no Rio Grande do Norte, ajuizou uma ação civil pública contra a União por danos morais coletivos causados pela Lava Jato e pelo ex-juiz Sergio Moro.

Segundo a ação, o então magistrado atuou influenciou propositalmente as eleições de 2018 e contribuiu para o processo de impeachment de Dilma Roussef.

O MPF ainda afirma que Moro contribuiu para a erosão do regime democrático e para a instalação de um regime com traços fascistas.

“Ocorre que o regime democrático está sob ataque autoritário em diversos Estados no mundo, não estando o Brasil imune aos movimentos extremistas, muito pelo contrário. No caso brasileiro, a emergência de movimento populista, com alguns traços fascistas, também foi decorrência da atuação do então juiz federal Sergio Moro.”

Os procuradores Emanuel Ferreira e Camões Boaventura, que assinam o documento, sugerem que a União promova “adequada educação cívica para a democracia”, por meio da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) e da Escola Nacional do Ministério Público (Esmpu). São uns maoístas.

O documento cita ainda o episódio em que o então juiz aceitou ser ministro de Jair Bolsonaro.

“É fato público e notório que o então juiz federal aceitou a indicação para o cargo de ministro da Justiça ainda no ano de 2018, fato que, analisado em conjunto com os demais, tem a aptidão de explicar a motivação por trás das mencionadas decisões, comprovando a reiterada e sistemática quebra da imparcialidade judicial.”

Evidentemente, essa enormidade faz parte do processo de “reabilitação” do PT e de Dilma Rousseff. Essa gente tem método, como dissemos, e não quer Moro de jeito nenhum como candidato na campanha eleitoral de 2022.

Mais notícias
TOPO