MPF PEDE CONDENAÇÃO DO ‘HOMEM DA MALA’ DE TEMER

A Procuradoria da República no Distrito Federal pediu à Justiça Federal em Brasília a condenação de Rodrigo Rocha Loures, informa a repórter Camila Bomfim, da TV Globo.

O pedido refere-se ao processo da mala com R$ 500 mil que o ex-deputado e ex-assessor de Michel Temer recebeu da J&F como pagamento de propina.

No pedido de condenação, que marca a fase final do processo, o MPF diz que o dinheiro era “vantagem indevida” para Temer no período em que ele ocupava a Presidência.

Desde novembro, Rocha Loures está sem a tornozeleira eletrônica que o monitorava desde 2017.

Diz o MPF:

“Restou demonstrado que o réu Rodrigo Santos da Rocha Loures agiu com vontade livre e consciente e recebeu vantagem indevida para Michel Elias Temer Lulia em virtude da condição deste de chefe do Poder Executivo , materializados no valor de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais), além da promessa de prestações semanais , incorrendo na conduta descrita no art 317, c/c art 29, ambos do Código Penal, sendo assim a condenação medida que se impõe.”

O sucesso (ou insucesso) do 'posto Ipiranga' vai determinar se você se entrega ao passado de vez ou se você se lança ao futuro. LEIA AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 51 comentários
  1. O mingau se come pelas beiras. Assim pegaram o Beira-Mar, herói de tantos bandidos travestidos de políticos. O País tem uma oportunidade única de travar a corrupção política sistêmica.

  2. Interessante é que o processo contra oprimo e o Aécio não anda. Foi na mesma época da gravação do Aécio com o dinheiro, segundo o Coaf, lavado numa empresa de um assessor do Perella(do helicopt

    1. Quero saber quando vão prender o ladrão temer agora ele não tem foro cadê o Bozo que dia e que era contra a corrupção,mas está envolvido junto com os bandidos.

  3. Barroso adiou várias vezes o inquérito porque o MPF e a PF não têm provas. É só a palavra do Joesley, que não vale nada. O encontro no Jaburu foi armado pelo próprio MPF/Miller. Caso vergonhos