MPF PODERÁ ANULAR ACORDO DE LENIÊNCIA DA J&F

O MPF no Distrito Federal poderá romper o acordo de leniência da J&F.

Devido à violação de cláusulas do acordo de colaboração premiada, os procuradores resolveram abrir investigação sobre o descumprimento da leniência – que está intimamente ligada à delação.

Além da omissão de fatos criminosos relevantes no âmbito da colaboração, o MPF também está levando em conta a descoberta do crime de “insider trading”, investigado pela Tendão de Aquiles.

Conforme a cláusula 36 do acordo, o MPF pode rescindir a leniência, caso a colaboração premiada firmada pelos executivos da J&F seja anulada pelo Supremo Tribunal Federal.

“Foram solicitadas informações à Procuradoria-Geral da República, Procuradoria da República em São Paulo, Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf)”, informa o MPF.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Ler mais 12 comentários
    1. TOMARA QUE MARCELO MULLER ABRA A BOCA, JANOT SEJA PEGO, OS IRMÃOS AÇOUGUEIROS PASSEM PRESOS UMA BOA TEMPERADA, LULA APAREÇA COM SÓCIO OCULTO DA JBS, A CAIXA DO BNDES SEJA ESCANCARADA E A REDE GOEBBELS APAREÇA COMO GRANDE VILÃ DA GRANA SAQUEADA DESSE BANCO!

      1. Todos os órgãos de regulação e fiscalização estão
        aparelhados , infiltrados de pilantras indicados por políticos .
        Todas as estatais , que nem o governo o executivo sabe quantas são
        uma hora são 130 depois 149 hoje já ouvi falar em 151 .
        Até no Supremo o dinheiro Público é chamado de meu
        tem apenas 5000 funcionários para atender 11 Ministros
        na Europa a média e simplesmente 10 vezes menos .
        BNDS 5000 também 99% Diretor , supervisor só cacique
        com salários de R$ 50 a 80 mil mensais .
        Duvido que encontremos alguma coisa pública que
        esteja funcionando razoavelmente dentro da moralidade .

    2. O correto seria :
      Fazer um levantamento de quanto o cartel
      deve aos bancos públicos , fundos de pensão
      e instituições como Receita Federal , FGTS , CVM , CARF . . .
      Fazer outro levantamento do patrimônio do Cartel criminoso
      e confiscar o valor devido a estado brasileiro .

      1. PESADELO
        Pior que nosso pesadelo só está no começo
        existem varias empresas na mesma situação da J&F
        ITAIPAVA – Se lançou no mercado nacional extrapolando
        queimando dinheiro , você comprava uma caixa e ganhava outra
        tudo com dinheiro dos bancos públicos , todo mundo sabe
        que os Ptralhas são sócios ocultos .
        OI – Sem precedentes , caso de polícia , escancaradamente
        a ANATEL órgão federal de regulação do setor de telefonia
        entrou no mercado , virou concorrente das empresas que
        deveria fiscalizar e no setor que deveria regulamentar
        não é piada não , investiu 10 bilhões em ações da OI
        todo mundo sabe que os Lulinhas mamaram muito nessa aberração .
        AMBEV – Comprou empresas daqui e no exterior , tipo JBS
        tudo com dinheiro público e fundos de pensão .
        Nesse esquema temos algumas dezenas escondidas no sigilo
        obsceno do BNDS e outros .
        Não podemos saber quanto pegaram , a que condições
        se estão pagando ou se estão em estado de carência
        Pesadelo ainda temos vários países do bloco Bolivariano
        na mesma nuvem , ou será buraco negro .

      2. Jrdantas, bem resumido o seu comentário e de fácil entendimento. Esperemos que as instituições cobrem desses Cartéis para ressarcir os cofres públicos.

    3. Excelente! Espero mesmo que isto venha a ocorrer, já que este acordo feito entre o Janot e o Joesley Safadão foi simplesmente ridículo e altamente suspeito, numa armação que já custou muitíssimo e continua a custar mais ainda ao Brasil. E quero ver a PGR lançar uma investigação minuciosa no tocante ao papel do Janot, do Marcelo Miller e outros nas suas cada vez mais prováveis armações e conluios com Joesley Safadão & Pilantras Associados.