MPF vai investigar órgão de inteligência do Ministério da Justiça

O Ministério Público Federal anunciou hoje a abertura de procedimento sobre a Secretaria de Operações Integradas (Seopi) do Ministério da Justiça. O procurador Enrico Rodrigues de Freitas vai apurar se há irregularidade na atuação do órgão, criado para integrar operações policiais, mas acusado de monitorar 579 agentes de segurança e professores identificados como integrantes do “movimento antifascista”.

De acordo com o anúncio do MPF, o procedimento aberto hoje é uma “notícia de fato”. Serão colhidas informações preliminares do Ministério da Justiça para que o procurador Enrico de Freitas, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, decida como proceder.

O governo tem dez dias para enviar ao MPF as informações solicitadas pelo procurador.

O Seopi foi criado no Ministério da Justiça por Sergio Moro. A ideia era facilitar ações conjuntas da Polícia Federal em investigações de redes de pedofilia, crimes cibernéticos e homicídios.

Mas, na gestão do ministro André Mendonça, passou a monitorar também policiais, guardas civis, professores e até ex-secretários nacionais de Justiça apontados como opositores a pautas do governo na área da segurança.

Segundo informações do portal UOL, o Seopi hoje monitora 579 pessoas no país inteiro.

Mais lidas
  1. ENTREVISTA: Wilson Lima diz que Pazuello ajuda a 'agilizar demandas', mas que 'ainda falta oxigênio'

  2. PDT acusa Bolsonaro de peculato por compra de leite condensado

  3. O Pazuello da Economia

  4. Bolsonaro mente

  5. Tasso: "Não é um governo de coalizão, é de cooptação escancarada"

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 40 comentários
TOPO