'Mudas de café' e 'garrafas de vinho' eram código para propina, diz PF

Investigados pela Operação Registro Espúrio, da PF, tratavam do pagamento de propinas no Ministério do Trabalho por meio de códigos como “mudas de café” e “garrafas de vinho”, informa a Folha.

Os investigadores tiveram acesso a mensagens trocadas em março de 2017 entre o coordenador-geral de Registro Sindical da pasta, Renato Araújo, e o advogado Carlos Artur Barboza, que foi secretário-adjunto de Relações do Trabalho até 2015.

“Eu disse a ele que tenho que te passar 300 mudas. Se vc combinar comigo, vc fica com 250 mudas de café e eu planto 50, pode ser?”, escreveu Araújo.

Dois meses depois, Barboza perguntou se havia novidades no caso de uma entidade e avisou: “Tá comigo tuas 2.5 garrafas do bom vinho do Porto”.

Comentários

  • Bento -

    Gestores e funcionários públicos 99,99% completamente podres. Basta ser normal para ver que nosso futuro está muito, mas muuuuuuito longe. Lamentável.

  • luizs -

    Se tivesse também "garrafas de 51", seria fácil descobrir o dono.

  • SPA -

    São uns verdadeiros jumentos . Os jovens investigadores da PF estão mil anos luz à frente dessa horda de corruptos. Podem observar ; TODOS foram pegos , mas se a justiça não consegue mantê-los na tranca é porque nosso Supremo "trabalha" contra , por enquanto .

Ler 25 comentários