Mulher de Toffoli e ministra do STJ também foram alvo da Receita

A advogada Roberta Maria Rangel, mulher do presidente do STF, Dias Toffoli, e a ministra Isabel Gallotti, do STJ, também aparecem entre os nomes de contribuintes citados pela Receita Federal numa investigação que mirou 134 agentes públicos.

Segundo o Estadão, o material foi produzido pela Equipe Especial de Programação de Combate a Fraudes Tributárias (EEP Fraude), grupo criado em 2018 para fiscalizar irregularidades tributárias envolvendo agentes públicos.

O pente-fino foi feito em agentes públicos com patrimônio superior a R$ 5 milhões, ou aumento patrimonial acima de R$ 500 mil no ano anterior, movimentação em espécie acima de R$ 500 mil ou valor de rendimento isento acima de R$ 500 mil.

Além do próprio contribuinte, o mesmo critério foi utilizado para parentes de 1º e 2ª grau, sócios e pessoas jurídicas com algum tipo de relação. Outro alvo já conhecido da apuração da Receita foi o ministro Gilmar Mendes e sua mulher, Guiomar.

Em julho do ano passado, a mulher de Toffoli foi citada em reportagem da Crusoé como responsável pelo pagamento de uma mesada de R$ 100 mil ao ministro, hoje presidente do STF. Os repasses ocorreram desde 2015 e somam R$ 4,5 milhões.

A ministra Isabel Galotti, por sua vez, é casada com o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Walton Alencar. “A  única coisa atípica que minha esposa recebeu nos últimos anos foi a herança da mãe que morreu e foi inteiramente declarada no IRPF”, afirma Alencar.

Comentários

  • Marco -

    Boa, Receita Federal! Continue com o bom trabalho de investigar os deuses gregos do $TF , $TJ e CNJ

  • Dmeibenle -

    Criaram um foro para eles....so faltava essa....kkkkk

  • Luiz -

    Oque? Isentos de fiscalização? Acho que nao, hein! So faltava essa, o que eles se diferenciam de um cidadão comum, para estarem livres de suspeitas por movimentação financeira atípica..

Ler 111 comentários