Na Itajaí do ozônio, mortalidade por Covid-19 foi 58% maior do que no estado

Na Itajaí do ozônio, mortalidade por Covid-19 foi 58% maior do que no estado
Reprodução/Prefeitura de Itajaí/Facebook

No levantamento do UOL sobre 10 cidades que distribuíram um “kit Covid” e apostaram no suposto “tratamento precoce” há um número que chama a atenção: a maior variação de mortes em relação ao respectivo estado foi em Itajaí, Santa Catarina.

A cidade ficou nacionalmente famosa em agosto de 2020, quando o prefeito Volnei Morastoni (MDB) publicou vídeo anunciando um possível tratamento com ozônio.

No mesmo mês, o prefeito chegou a admitir que “não há tratamento definitivo para a COVID-19”.

O levantamento do UOL com números do Ministério da Saúde mostra que Itajaí teve, até ontem (20), 58% mais mortes do que a média de Santa Catarina.

Foram 133 mortes por 100 000 habitantes, contra 84 mortes por 100 000 no estado.

Neste domingo (17) já havíamos mostrado que Itajaí liderou a mortalidade em Santa Catarina. Agora sabemos que está também entre as maiores variações do país em relação ao próprio estado.

Em novembro de 2020, Volnei Morastoni foi reeleito.

Leia mais: A causa desse desgoverno é política, como mostra a Crusoé desta semana.
Mais notícias
TOPO