Não basta ser inocente, é preciso parecer inocente

Julian Lemos, que integra a equipe de transição de Jair Bolsonaro, foi condenado em 2011 por estelionato (o crime prescreveu antes de ir a julgamento em segunda instância) e tem na ficha três processos por violência doméstica — dois abertos pela ex-mulher, que depois voltou atrás nas acusações, e um contra a irmã, ainda em andamento.

Lemos, que coordenou a campanha de Bolsonaro no Nordeste, se diz inocente em todos os casos, mas não basta ser inocente, é preciso parecer inocente num governo que tem Sergio Moro como ministro.

A grande imprensa está atrasada no episódio do convite de Bolsonaro a Moro... Imagine o que ela está deixando de revelar para VOCÊ LEIA AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. E os petistas surram crianças de 11 anos porque comemora a vitória de Bolsonaro, vejam no youtube vídeo do MBL, e foi até preso, está lá toda a história e fotos desse seu “cumpenheiro”.

Ler mais 65 comentários
  1. E os petistas surram crianças de 11 anos porque comemora a vitória de Bolsonaro, vejam no youtube vídeo do MBL, e foi até preso, está lá toda a história e fotos desse seu “cumpenheiro”.

  2. Some a isso o Onyx, que recebeu 200 mil da JBS, e o Bolsonaro com funcionário da câmara dando água pros seus cachorros e beijos abraços com Temer. Realmente é o governo da moralidade.

    1. Pedallinhos no “çitiu”, “triprex qi nun hé meu”, amante chefe de representação e carregadora de mallas suspeitas, dôssies, “dollar na cueca”, “relógios bregas”, assessor pedófilo, pixul

  3. Prefiro ouvir da boca do Bolsonaro que o cara não tem a vida correta. Não vale ouvir de Gleise, de Lindinho, de Lula ou de jornalistas de esquerda, que recebem bilhões e não confessam a pilhagem.

  4. Cadê o Capitão que não vê isto, tá ok? Será que foi enganado por alguém do seu lado? Se assim foi, este também tem que ser expulso de sua equipe. Equipe limpa, Governo limpo. Equipe suja…

  5. Política, hoje mais que nunca é disputa, não processo de canonização. Ou o princípio de que ninguém pode se considerar culpado até o.trânsito em julgado não vale pro Bolsonaro?

  6. Meu povo, nem todo mundo tem mulher para dar mesada de 100 mil p/ repassar 50 p/ ex mulher e assim, resolver pendências familiares. O que mais pesa aí é a acusação de estelionato. Detalhes?

  7. É duro, viu? Moro só assume daqui a dois meses e já está sendo criticado por ações que ainda nem praticou. Opiniões como a sua demonstram q tem muita gente jogando contra o BR. Triste.

    1. Esse é o mesmo argumento usado pela esquerda… Em países de povo de GENÉTICA superior, esses integrantes de governo, se afastam ou são afastados, até que seja exclarecida a situação…

    1. Seguindo este raciocínio usado pela Esquerda, que vc defende, então a esquerda está certa em não aceitar a prisão de Lula em primeira instância…

  8. Que seja retirado da Equipe de Transição.É inconcebível manter alguém com tantas acusações. Não basta parecer inocente tem que Ser inocente.E prescrição não prova inocência. Idoneidade ant

  9. O Bolsonarista erra e arreganha o seu lado jacobino. Inocência e culpa não são questões de aparências, mas sim de fatos e provas. Se falamos em “aparências”, vale a menção do Mainardi pelo

  10. Confio no deputado Julian Lemos, que é um aliado e alinhado, e confio muito mais no Jair Bolsonaro do que em Moro, que atuará contra crimes financeiros, pois o capitão é conservador.

  11. Ex mulher e parente não são testemunhas imparciais , a vida pessoal não deve interferir na profissional . Já fui processado por espancar meu filho de 6 anos , a mãe foi desmascarada , mas foi dur

    1. E o crime de estelionato? Uso de registro falso para fechar contrato com o governo do Estado!! O Próprio Bozo admitiu que o cara “deu umas caneladas na vida”!!!

    1. Já teremos que suportar o Onyx Lorenzoni !!! que não explicou decentemente os 175K Reais da Odebrecht via caixa 2. Na minha, singela, opinião esse não poderia estar a frente do governo.