“Não estamos a barganhar cargos”, diz bancada evangélica

A Frente Parlamentar Evangélica divulgou uma nota em que manifesta “repúdio a qualquer tentativa de desestabilização do apoio desta” ao governo Jair Bolsonaro.

Nesta quinta-feira, o Estadão havia registrado que a bancada evangélica ameaçava se rebelar caso não tenha cargos na Esplanada.

Leia aqui a íntegra da nota.

Os generais acompanham as primeiras ações do futuro governo — e não aprovam tudo... LEIA AQUI

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 26 comentários
  1. É a velha tática globalista ou esquerdista de dividir para governar. Espalhe divisão ou falsa divisão, venda intrigas, fofocas. Engane, minta. Joguem uns contra os outros. O que também faz a impr

  2. A estratégia dos jornalistas de esquerda (revoltados com a EC 9 de 22/07/64 – pesquise Stephen kanitz grande erro militares) é dividir a sociedade, apelando p/ o emocional. Não caiamos nessa.

    1. Exato! Ao ler essas “notícias”, temos sempre de perguntar: “A quem interessa”? Ou: “Qual o objetivo”? Separar desinformação do que é verdadeiro!

  3. Capitão mandando em General, maluquices conspiratórias nos ministérios, pastor malandro influenciando geral, liberal globalista na economia… Esse governo é um pardieiro!

    1. Também concordo,”este governo” mas dia 1 de Janeiro muda tudo. Chega de comunista dando palpite. A mortadela vai acabar. Kkkkk

  4. Nããããããão! Ora essa. Que bobagem. Imagina! A rejeição do Mozart para Ministro da Educação só para que eles “pudessem mostrar que barram” não teve nada a ver com barganhas. Nadinha mesm

    1. É claro que não foram eles, mav. Se fosse tinham colocado outro que não o dr. Velez Rodrigues. Mas qualquer outro seria melhor do que o fantoche globalista que acha que computador substitui ensino.