Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"Não falei a palavra China", diz Bolsonaro sobre discurso em que falou de "guerra bacteriológica"

“Não falei a palavra China”, diz Bolsonaro sobre discurso em que falou de “guerra bacteriológica”
Foto: Isac Nóbrega/PR

Jair Bolsonaro tentou atenuar, agora à noite, a declaração de mais cedo contra a China, na qual sugeriu que o coronavírus pode ser parte de uma “guerra bacteriológica”.

Peraí, eu falei a palavra China hoje de manhã? Não falei. Eu sei o que é guerra bacteriológica, guerra química, guerra nuclear. Eu sei porque tenho a formação. Só falei isso, mais nada. Agora, ninguém fala, vocês da imprensa, onde nasceu o vírus. Falem. Ou estão temendo alguma coisa?

“Eu não falei a palavra China, não está no meu discurso de quase 30 minutos de hoje. Agora, muita maldade tentar um atrito com um país que é muito importante para nós e nós somos importantes para eles também, afirmou.

De manhã, Bolsonaro disse:

“É um vírus novo, ninguém sabe se nasceu em laboratório ou nasceu porque um ser humano ingeriu um animal inadequado. Mas está aí. Os militares sabem que é guerra química, bacteriológica e radiológica. Será que não estamos enfrentando uma nova guerra? Qual o país que mais cresceu seu PIB? Não vou dizer para vocês.”

Em 2020, o PIB da China cresceu 2,3%. No ano anterior, o crescimento foi de 6,5%. Ah, sim, e o Brasil depende dos chineses para fabricar vacinas.

 

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO