Não há nada que justifique o sigilo do vídeo

Não há nada que justifique o sigilo do vídeo
Foto: Mateus Bonomi/Agif/Folhapress

O advogado de Sergio Moro, Rodrigo Sánchez Rios, defendeu na Folha de S. Paulo o acesso público ao vídeo da reunião ministerial em que Jair Bolsonaro assediou a PF:

“O encontro não teve nenhum conteúdo que, caso divulgado, ameace a segurança nacional. Mas contém declarações constrangedoras para o governo, que não justificam a imposição de sigilo, e também as provas de que são verdadeiras todas as declarações do ex-ministro Sergio Moro sobre o comportamento e as intenções reprováveis do presidente da República para com a Polícia Federal. A defesa do ex-ministro pleiteia o levantamento integral do sigilo sobre o registro da reunião.

No cenário de crise em que se encontra o Brasil, serve de feliz alento o fato de que arroubos autoritários têm sido rejeitados pelo correto funcionamento do sistema de freios e contrapesos e da responsabilidade institucional dos Poderes (…).

Enfim, o inquérito 4.831 trata de questões fundamentais para a democracia brasileira, como a proteção das instituições do Estado frente ao arbítrio do governante do momento, o direito à informação, o controle das condutas do governante pelos governados via submissão ao escrutínio público e o resguardo de um governo de leis e do império do direito.”

Leia também: Bolsonaro: "Vou interferir. Ponto final"
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO