“Não pode ter reajuste para servidor e tem de ter menos concurso público”

Em entrevista ao Globo, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, defendeu a revisão dos gastos obrigatórios como saída para lidar com asfixia do Orçamento.

“Só vai sair disso mudando a dinâmica do crescimento da despesa obrigatória. A reforma da Previdência tem um efeito pequeno para o próximo ano, mas a partir do segundo ano o efeito começa a ser bem maior. A outra coisa é despesa com pessoal. Esse ano essa despesa está crescendo R$ 26 bilhões. Tem reajustes que são dados, ainda tem as progressões de carreira, os benefícios previdenciários do servidor público. Para mudar isso, não pode ter reajuste para servidor e tem de ter menos concurso público. É a mesma coisa que foi feita na segunda metade dos anos 1990.”

Comentários

  • João -

    O governo precisa organizar as carreiras do serviço público que estão pulverizadas em centenas, equacionar distorções salariais e unificar o sistema de avaliação (inclusive implantar onde não

  • João -

    Gosto do Mansueto, mas discordo em parte. Não existe servidor, mas servidores. Tem alguns ganhando 3 mil e outros 30 mil. Alguns sem reajustes (não é aumento) por mais de 2 anos e outros com aument

  • Fátima -

    Pra aliviar os gastos obrigatórios, tem que rever a legislação das mamatas. Pra conseguir isso, tem que extinguir os bandidos sindicatos e chutá-los do congresso. Fácil não é. Nem impossível.

Ler 65 comentários