"Não se pode transferir para cidadão indefeso a possibilidade de se defender"

Marina Silva, na sabatina do Estadão, voltou a dizer que não se resolve o problema da violência “distribuindo armas para a população”.

“Aqueles discursos que parecem os mais arrojados e os mais fortes são os mais frágeis”, comentou ela, sem citar Jair Bolsonaro, que defende a liberação do porte de arma, registra o G1.

“Você dizer que quer ser presidente da República para entregar a população à própria sorte? Dizendo que, se ela quiser resolver o problema da violência, que compre uma arma e se defenda? Para que, então, que se quer ser presidente da República? O Estado tem o monopólio da força e não se pode transferir para cidadão indefeso a possibilidade de se defender, defender a sua família, defender a sua empresa. Isso é justiça com as próprias mãos?”

A mesma Marina já disse que, na infância, usava uma espingarda para se defender.

Comentários

  • Nehemias -

    Mas também não se pode orientar o cidadão indefeso a, simplesmente, não reagir e entregar, para qualquer VAGABUNDO, o que conseguiu com seu esforço trabalho honesto.

  • Renato -

    Defender a própria vida é um DIREITO, jamais uma prerrogativa de TERCEIROS. Permitir o direito de defesa da própria vida e subtrair o instrumento mais eficaz para isto é CANALHICE.

  • MARELICE -

    Nossa, que mulher idiota, ele nunca disse que ia "deixar a população à própria sorte" pelo contrário, ele quer dar poder pra polícia conseguir proteger a população com respaldo jurídico...

Ler 87 comentários