ACESSE

"Não sei do que se trata", diz Meirelles sobre suposta propina da Odebrecht ao PT

Telegram

Em depoimento ao juiz federal Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, Henrique Meirelles disse desconhecer completamente os detalhes envolvendo suposto pagamento de propina da Odebrecht ao PT para facilitar obras da empreiteira em Angola, diz o Estadão.

Meirelles falou na condição de testemunha de Lula. O hoje secretário estadual da Fazenda de São Paulo foi presidente do Banco Central durante os governos do petista.

“Como eu mencionei, da mesma maneira que foi feito durante a gestão do presidente Temer e quando eu era ministro da Fazenda, entre as coisas que eu fiz questão de preservar foi o Banco Central. Eu fui presidente do Banco Central e eu dizia que sou autônomo e não aceitava opinião, nem de ministro da Fazenda, nem de qualquer outro ministro. Eu, de fato, participava muito menos de demais ministérios e não sei do que se trata essa questão referente ao ministro Paulo Bernardo”, disse Meirelles.

De acordo com Marcelo Odebrecht, Paulo Bernardo pediu US$ 40 milhões para ampliar uma linha de crédito do BNDES para que a empreiteira realizasse obras em Angola.

Segundo o empresário, o dinheiro teria sido descontado do valor da conta “Italiano”, referente a Antonio Palocci, em benefício do PT e de Lula.

O combate à corrupção pode não ser o único derrotado com decisão do STF. Os avanços econômicos serão ameaçados. SAIBA MAIS AQUI

Comentários

  • Luiz -

    Meu Deus!!! Como essa gente roubou nosso país. E nossa suprema corte, com a devida vênia, pode facilitar a vida desses bandidos. Incrível!

  • Walter -

    INCRIVÍVEL como não acertam uma.Ficam procurando casos de corrupção onde não existem e o resultado vai ser todo mundo sendo solto por investigações mal feitas e tendenciosas.

  • Gilberto -

    20, 30 anos e ninguem viu nada!!! Pode fechar STF, TCU, RF e todos orgaos supostos a controlarem, fiscalisarem e regulamentarem a cegueira instuticional que quase afundou a Petrobras e o Brasil junto.

Ler 14 comentários