“Não sou neutro, sou independente”, diz governador do DF sobre corrida presidencial

Rodrigo Rollemberg (PSB), governador do Distrito Federal que disputará o segundo turno com Ibaneis (MDB), voltou a dizer hoje que não apoiará ninguém na corrida presidencial.

“Não sou neutro, sou independente”, definiu ele, segundo registro do site Metrópoles.

“Ser neutro é você não ter posição. Nós temos uma posição política independente e de reafirmação de valores como a defesa da democracia e dos direitos humanos. Temos visto as famílias se dividirem, os amigos se distanciando em função de uma disputa presidencial acirrada. E nossa responsabilidade é unificar Brasília. Portanto, um apoio a qualquer candidatura só acordaria ainda mais os ânimos”, acrescentou.

Tem candidato trocando de fantasia no 2º turno. Veja AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 37 comentários
    1. Não é burro não….faltou opção….Brasilia e o DF foram das maiores votacoes no Bolsonaro….porém pra governador, estamos muito mal.

  1. Vai tomar uma Peia na eleição que não saberá para onde ir! Eh Rolemberg, vai se despedindo do Governo e nunca mais voltará! Acabou a sua era! Burro eh pouco para vc! Fique com o seu PT!

  2. Para mim as expressões “em cima do muro”, “independente”, “neutro” são simplesmente ridículas. O voto é livre e qualquer um faz dele o que quer. Esta é a primeira vez na vida que votarei em

  3. Lamentável em Rollemberg, parece até ter feito um bom governo no DF após pegar a desgraça feita pelo Membro da Maior Quardilha do Mundo, Bandido Agnelo, Rato, Ladrão, Corrupto. Vai apoiar Quadri

  4. O PT começou como o PSB. Na manha se dizia progressista a favor dos pobres. Quando tomou um pezinho todos sabem no que deu. Tenho profunda antipatia pelo ENCARCERADO. O fim dele será triste.

    1. Boa parte de seus secretários é de petistas. Ele até tem um terrorista comunista em seus quadros, que foi guarda-costas de Khadafi, e vem falar em democracia…