“Não viro os olhos para o outro lado se o réu for poderoso”

Luís Roberto Barroso, divergindo de Gilmar Mendes, segue defendendo as conduções coercitivas:

“Eu aplico a todos, ricos e pobres, o mesmo direito penal. Não trato os pobres como se fossem invisíveis e os ricos como se fossem imunes. Nem viro os olhos para o outro lado se o réu for poderoso.”

Quando há “argumento razoável”, acrescenta Barroso, a condução coercitiva é adotada na maior parte dos países.

“Não há nenhum prejuízo ao acusado que é alvo de condução coercitiva e permanece calado diante do juiz.”

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. “Nem viro os olhos para o outro lado se o réu for poderoso.” Esse Barroso tá de saca né, ontem defendia o Césari Batisti, hoje virou herói e não tem medo de nada, quase uma caricatura, pois até área Vip em aeroporto estamos bancando para essas criaturas.

Ler mais 19 comentários
  1. “Nem viro os olhos para o outro lado se o réu for poderoso.” Esse Barroso tá de saca né, ontem defendia o Césari Batisti, hoje virou herói e não tem medo de nada, quase uma caricatura, pois até área Vip em aeroporto estamos bancando para essas criaturas.

  2. por falar em juiz/condução coercitiva/propina,… o descaramento com que o apito amigo está favorecendo o São Paulo é algo de cadeia.
    Todo jogo, ou é um penalti ou uma expulsão favorecendo o time do Caboclo !!..